Zélia Brandão e Sônia Terra

Adriana Ferreira 

Imprescindível falar dessas duas grandes mulheres, pela bela e sincera amizade que as une e pelo que representam. Há 19 anos acompanho a coluna social de Zélia Brandão, mas somente vim a conhecê-la pessoalmente no primeiro jantar temático de Paulo Bocca, salvo engano era um jantar italiano e isso há uns anos. Aliás, naquele dia também fiquei conhecendo Sônia Terra e não me esqueço que ela trajava um chapéu. Quem usa chapéu em Divinópolis a não ser quem realmente é plena? Ninguém. Sônia Terra é única. Pois bem, pensem numa pessoa emocionada! Estar ali, no mesmo lugar, com essas duas marcantes mulheres, que são e estão adiante do nosso tempo, que não nasceram na cidade do divino, mas que já deixaram aqui sua indelével marca, era um privilégio. Admirei-as de longe por mais de uma hora até criar coragem de me aproximar. Depois de uma taça de vinho (elas também adoram), eu me vi preparada e então me aproximei. Foi um encontro inesquecível! Daquele dia, aos poucos, fomos estreitando laços, e hoje as tenho como amigas e incentivadoras. À Sônia Terra gratidão imensa por me convidar a ser articulista e depois colunista deste jornal e à ambas agradeço pelos toques e também pelo carinho que nutrem pelas minhas Marias. E claro, parabéns Zélia pelos 19 anos de colunismo social. Que venham outros anos cheios de graça, glamour e taças brindando! Tim-tim!

Vice

Matheus Costa (CDN) e Rinaldo Valério (DC) têm duas coisas em comum: ambos são afoitos e ambos têm o prefeito Galileu Machado (MDB) como um entrave. Já foi diferente: Waldemar da Pamer, pai de Matheus, já foi candidato a vice-prefeito e claro que sua família apoiou Galileu. Rinaldo é o atual vice-prefeito.  Aliás, considerando que Galileu também já teve problemas com a saudosa Dona Maria Martins, tem-se que a palavra e a pessoa vice dão urticária no prefeito. Sinceramente, eu me pergunto o porquê, pois não podemos nos esquecer que Galileu foi vice de Fábio Notini e com o passamento deste, assumiu a cadeira-mor. Será que tem neura de vice porque já foi vice? Eu, hein!

Matheus Costa

Mas voltando ao vereador. Jovem, ansioso, pronto para polemizar! Tem procurado ser marcante em seu mandato, mas duas atitudes com o Poder Executivo demonstram que a independência dos poderes e a relação harmônica entre eles são necessários em uma democracia. Já foi demais um vereador pegar a enxada e capinar e o outro foi fazer o trabalho de calceteiro. Tudo puro populismo, além de atrapalhar o trabalho dos outros. Já sugeri que esses trabalhadores se dirijam aos gabinetes dos vereadores e assumam suas funções. O único risco é fazerem melhor. Mas voltando ao Matheus Costa, adentrar o gabinete de Galileu e querer estar ali, pois representa o povo,  não foi uma decisão acertada e ainda com dois assessores (ah, os assessores!), a uma porque se assim for, Galileu pode ir ao gabinete dele e lá querer permanecer porque também é  representante do povo e Matheus não poderá dizer nada. Ambos são legítimos representantes do povo, por este eleitos e seus direitos, deveres e obrigações estão claramente descritos principalmente na Lei Orgânica do Município e legislação infraconstitucional. Matheus continue a brilhar na tribuna e agende com Galileu para discutir assuntos de interesse da cidade. Se ele se recusar a recebê-lo como edil, aí sim, suba a avenida Paraná e monte campana em frente à prefeitura. Independentemente de partido, ideologia, Galileu tem obrigação de receber os representantes do povo. Pense nisso! Não desperdice nem seu tempo e nem energia. Você está aí para feitos maiores.

Assessores

Ah! Os assessores! Jamais poderiam ser escolhidos por compadrio e sim por competência. Nossos políticos precisam entender que alguém deve ser assessor porque trabalhou na campanha. Isso é compra de voto, ou seja, crime. Existem assessores que mais lembram quando um caminhão está no alto preso em uma fiação, ou seja, como chegaram lá. Assessor que se preza ajuda o político a fazer um bom mandato, ele atrai votos não fazendo campanha em época de eleição e sim vigiando o mandato do seu contratante. Falar NÃO FAÇA ISSO com o seu político também faz parte da função. Assessores são os olhos, os ouvidos e muitas vezes a voz do político. Assessor endossando tudo que o político diz e quer fazer é suicídio. O inverso também. Pense nisso!

Estalagem

Falar de quem ousa é maravilhoso! Quem dribla a crise e cria. Por isso registro aqui o surgimento de uma opção noturna.

Quem tem mais de 45 anos se lembra do restaurante Estalagem que havia na rua Goiás, próximo ou onde é o castelinho da Lider, Interiores. Era um casarão, de assoalho de madeira e quando a gente andava fazia crec, crec e em todos o mesmo medo: o assoalho afundar. Sua sangria (vinho com pedaços de maçã) era famosa. Hoje Divinópolis tem uma nova Estalagem, em frente a Escola Estadual São Francisco, no bairro Sidil. Não tem o escurinho da anterior, mas tem uma carta de vinhos e um cardápio maravilhosos. Tudo a preços acessíveis.  Parabéns aos proprietários que em plena crise, abriram essa casa. Ousaram e merecem nossos aplausos. De pé!

Comentários
×