Voltou atrás

Voltou atrás

A Comissão de Ética da Câmara recuou na decisão da semana passada, quando ficou definida a continuidade na investigação da denúncia contra Edsom Sousa (MDB) apresentada pelo seu colega de partido Delano Santiago. O médico o acusou de quebra de decoro parlamentar, ao chamá-lo de moleque em Plenário. A alegação para a nulidade foi erro de comunicação. Não sei, não! Até rimou.

Não desistiu

A Comissão é formada por Eduardo Print Jr (SD), Janete Aparecida (PSD) e o próprio Delano, mas, sendo ele o denunciante, foi substituído por Sargento Elton (Patriota). Porém, o resultado não para neste possível erro, Dr. Delano disse que entrará com nova denúncia. Assim, a apuração seguirá. Aliás, não somente ela, mas o clima tenso, as indiretas e as tentativas de explicar o inexplicável.

Flagelo

Clima tenso entre os vereadores Dr. Delano e Edsom Sousa tem tudo para se transformar em um grande estrago. Briga de correligionários não é bom para a imagem do Legislativo, pois todos podem sair afetados. Onde impera o grito e os desaforos falta a razão. Há muito o que fazer por Divinópolis, o que deveria superar os desentendimentos entre os representantes do povo.

Educação e ética

Discursos nervosos, tensos é coisa normal em plenários legislativos, mas essa formação da Câmara fala alto, berra, troca farpas, beirando a falta de educação (se não fosse de ética).  Às vezes, a fala é tão enfática e gritada que jorra saliva. A sensação de quem está do outro lado é que a qualquer momento pode ser molhado.

Quer calar

O lamentável é que alguns não aceitam nem críticas construtivas. Um ‘A’ divulgado em uma reportagem ou um comentário em coluna de opinião vira, em momento de desabafo, ou xingamento da tribuna ou processo. De duas, uma! Ou desconhece norma que dá liberdade à imprensa ou desconhece que, a partir do momento que é eleito para um cargo público, pago pelo povo, a obrigação é informar a ele, feita na maior parte das vezes pela imprensa. E o incrível que é gente velha de guerra, ao contrário de Roger Viegas (Pros), novato e que pode dar aula para os intocáveis, neste sentido. A ele, todo mérito pela sensatez, aos outros: se não querem ser lembrados, falados e cobrados, saiam da vida pública. Simples assim.

De novo

Ah, não.  De novo não. Tinha acabado de escrever a nota acima falando sobre político x imprensa, quando tive notícias de que fui citada na Câmara por este motivo. E por uma questão simples: por ter recebido informações de uma fonte, a coisa mais normal e corriqueira no jornalismo. Explico: a pessoa viu afixada no mural da Câmara a decisão da Comissão de Ética sobre Edsom Sousa. Sobre mais este episódio, tenho a falar o seguinte: o Art. 5º da Constituição Federal diz que todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:

XIV - é assegurado a todos o acesso à informação e resguardado o sigilo da fonte, quando necessário ao exercício profissional. Pronto. Estou aberta se houver ainda alguma dúvida.

Autoritarismo

Mas ledo engano achar que estas picuinhas se resumem a cidades do interior, como é o caso de Divinópolis, se comparando a grandes capitais. Nos últimos tempos, é impossível não se notar o caráter fascista e autoritário de algumas pessoas de direita. No entanto, o mais triste de tudo é a violência verbal, física ou intimidações para calar quem critica A ou B. Pessoalmente ou nas redes sociais, o desrespeito vem dominado. É assim que se pretende ter um país melhor?  Já não chega a representação que temos em diversos campos, a começar pelo político? Ah, por um momento, me esqueci de que eles saem desta turma aí, que se acha, mas não passa de seres corruptíveis.

Comentários
×