Volta do trem de passageiros inclui Divinópolis

Da Redação

Divinópolis está inclusa entre as propostas para a volta do transporte ferroviário de passageiros em Minas Gerais. Além deste aspecto, o de cargas foi elencado no projeto de reativação de linhas, discutido em reunião realizada nesta terça-feira, 11, pela Secretaria de Estado de Infraestrutura e Mobilidade (Seinfra), na sede do Departamento de Estradas e Rodagem (DER), em Belo Horizonte.

Para o transporte de passageiros, foram selecionados os trechos entre Divinópolis e Lavras, ligando o Centro-Oeste ao Sul de Minas; Uberaba, Araxá e Ibiá (no Triângulo); a ligação entre Belo Horizonte e Brumadinho; e também de BH a Eldorado, via Barreiro, entre outros.

Para trens turísticos serão objeto de estudo as ligações entre São Sebastião do Rio Verde e Passa Quatro; Cataguases, Além Paraíba e Três Rios (RJ); além de nove outros trechos.

Entre os estudos que envolvem plataformas logísticas estão a integração do Porto Seco do Sul de Minas, em Varginha, ao ramal Três Corações. Também está incluído o Terminal Intermodal rodo-hidro-ferroviário de cargas em Chaveslândia (município de Santa Vitória), no Triângulo Mineiro.

Assim, Divinópolis não seria beneficiada, como havia sido cogitado, com a ligação ao Rio de Janeiro. A cidade seria uma espécie de interposto.

Multimodal

Uma das principais premissas do Plano Estratégico Ferroviário de Minas Gerais (PEF) é que o conceito de multimodalismo seja valorizado como uma solução para os gargalos logísticos, como observa o professor Paulo Resende, da Fundação Dom Cabral (FDC).

— O Brasil não pode mais continuar com essa briga entre modais de transporte. Não vamos usar o plano estratégico como instrumento de disputa, mas sim como um instrumento de direção única, para o desenvolvimento das ferrovias e dos modais de transporte em Minas Gerais — pontuou.

Etapas

Estão previstos outros sete encontros para apresentação e acompanhamento das próximas etapas dos estudos elaborados pela FDC.

Todos os documentos apresentados nas reuniões serão disponibilizados no site da Seinfra, assim como as respostas enviadas pelos participantes, que serão respondidas pela equipe técnica do PEF.

Para Antônio Moreira de Faria, da ONG Minas Trilhos – Rede de Pesquisa e Transportes sobre Trilhos, a iniciativa de elaboração do PEF é um grande acontecimento para todos que estão envolvidos com a temática ferroviária.

— Agora, o plano precisa ser desenvolvido e colocado em prática. Espero que nas próximas sessões haja a possibilidade de participação ampla, de todos, inclusive no sentido de opinar, servindo como um canal de interlocução — concluiu.

A diretora-geral da Agência de Desenvolvimento da Região Metropolitana (ARMBH), Mila Batista, que é de Divinópolis, também participou do encontro.

Propostas

As propostas foram apresentadas no auditório do DER-MG, em Belo Horizonte, para cerca de 180 convidados, entre representantes da sociedade civil, do Poder Legislativo e de entidades ligadas ao setor. Os estudos foram patrocinados pela Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários (ANTF) e elaborados FDC.

Na oportunidade, o secretário de Estado Infraestrutura e Mobilidade, Marco Aurélio Barcelos, afirmou que o Plano Estratégico Ferroviário é resultado de intenso trabalho de planejamento.

— O fato de estarmos reunidos aqui significa que o nosso planejamento já começou a frutificar. Nós já temos o resultado deste esforço de inteligência sendo apresentado à sociedade — disse.

 

Comentários
×