Volta do futebol na cidade vai demorar

Presidente da LMDD esclarece que entidade e clubes do interior não têm recursos para cumprir protocolos

José Carlos de Oliveira

Futebol amador e escolinhas de futebol não retomam suas atividades em Divinópolis e região tão cedo. Depois de uma reunião por videoconferência com os dirigentes da Federação Mineira de Futebol (FMF) na semana passada, o presidente da Liga Municipal de Desportos de Divinópolis (LMDD), José Roberto Betoni, esclareceu que a liga, clubes e escolinhas da cidade não dispõem de recursos para atender às exigências feitas pelas autoridades, e por isso as disputas por aqui ainda vão demorar um bom tempo para serem retomadas.

Betoni esclareceu que Adriano Aro deixou claro que a volta do futebol em cada cidade do estado fica na dependência da liberação por parte das autoridades em saúde e prefeituras locais, e que atletas e clubes devem seguir todos os protocolos exigidos, com testes em todos os envolvidos nos jogos e limite de pessoas nos campos e locais de reunião.

— O presidente da federação estadual deixou claro que os custos com todo o processo correm por conta das ligas e dos times, não havendo qualquer possibilidade de a entidade ajudar nas despesas. E aí fica difícil, não tem como voltar o futebol. Só os testes – feitos hoje pelos grandes da capital (Cruzeiro, Atlético e América) para retomar os treinos em seus CTs – custam R$ 300 por pessoa e ninguém no futebol do interior tem este dinheiro para gastar — desabafou Betoni.

O presidente da LMDD esclareceu ainda que um novo encontro, por videoconferência, deve ser marcado nos próximos dias – logo após a reunião de amanhã entre Adriano Aro e o governo de Minas Gerais, em Belo Horizonte – com a presença de autoridades, imprensa e dirigentes de ligas de todo o estado, para discutir o assunto. Mas, também segundo o presidente, dificilmente as disputas do amador serão retomadas antes que passe todo o perigo com a covid-19.

Prejuízo

Explicando aos dirigentes do interior o porquê de a FMF não ajudar financeiramente o futebol do interior, o presidente Adriano Aro culpou a pandemia, que, segundo ele, estaria dando enorme prejuízo à entidade, que não conta nestes meses com as rendas dos jogos e nem com o dinheiro da TV.

O presidente Adriano Aro foi claro ao falar que a federação não tem como ajudar. Ele explica, como desculpa, que a FMF deixou de arrecadar mais de R$ 300 milhões neste período sem jogos, e por isso não há como prestar auxílio aos times e atletas do interior com qualquer soma em dinheiro. 

Comentários
×