Você sabe o que é consciência fonológica?

VOCÊ SABE O QUE É CONSCIÊNCIA FONOLÓGICA?

As habilidades de consciência fonológica são essenciais para a leitura e escrita!

 

 

Representa uma capacidade complexa em que a criança começa a identificar e a refletir que o discurso é constituído por um conjunto de frases, e que essas podem ser segmentadas em palavras, as palavras em sílabas e as sílabas em fonemas.

 

É saber identificar a estrutura sonora das palavras, entender que uma mesma sílaba ou um mesmo fonema pode estar presente em palavras diferentes.

 

A consciência fonológica é fundamental para a alfabetização, já que os sons associados às letras são os mesmos sons da fala e é por meio do treino dessa habilidade que as crianças ganham essa sensibilidade (BORGES, 2015).

 

LIMITES 

Essa é uma questão recorrente quando se trata de educação de filhos. Por isso, quisemos trazer esta reflexão aqui.

 

Gostaríamos que vocês refletissem sobre o que é que estamos chamando de LIMITES.

 

O que é isso que todos falam que as crianças/adolescentes precisam?

 

Eu arriscaria dizer que, de fato, o que temos chamado de “CRIANÇAS PRECISAM DE LIMITES” pode ser facilmente substituído por “CRIANÇAS PRECISAM APRENDER A OBEDECER”.

 

Será que o que estamos chamando de "pôr limites” tem passado por imposições autoritárias e desrespeitosas para as crianças e adolescentes?

 

Será que na verdade as crianças não precisariam mesmo é de condução? De orientação? De aprender habilidades de enfrentamento e resolução de problemas?

 

Será que se “colocarmos limites” nas crianças/adolescentes eles se tornarão adultos limitados?

 

A grande questão é: o que você quer de fato ensinar à sua criança/adolescente?

 

INFÂNCIA: UMA JANELA DE OPORTUNIDADES 

 

Vocês sabem o que são os primeiros mil dias de vida da criança e a sua importância para toda a vida?

️A fase dos primeiros mil dias de vida compreende o período da gestação (270 dias, de uma gestação a termo), o período do nascimento até os 12 meses completos (365 dias) e o período entre 1 e 2 anos de idade (365 dias). Abrange o primeiro dia da gestação até os 2 anos completos, fase crucial do desenvolvimento do ser humano.

 

Já parou para pensar que desenvolvemos as habilidades fundamentais para nossa vida, neste período?

 

▪️São essas habilidades que permitem a aquisição de novos conceitos e até novas habilidades que iremos adquirir inclusive na vida adulta.

 

▪️Nesse período, a criança aprende a virar, sentar, engatinhar, equilibrar, andar, falar, correr, parar, brincar… Conhece seu próprio corpo, seus interesses, adquire e amplifica suas habilidades.

 

Em qual outra fase da vida passamos por tanto desenvolvimento?

 

Alguns estudos concluíram que o cérebro requer determinados tipos de estímulos em diferentes momentos da maturação para criar e desenvolver estruturas que se manterão durante toda a vida. A essas etapas, deram o nome de janela de desenvolvimento.

 

Por isso é tão importante termos um olhar minucioso para percebermos o que as crianças estão nos evidenciando e, assim, acompanhá-las dando os estímulos necessários para o pleno desenvolvimento de cada fase, em alguns momentos serão necessários estímulos motores, visuais, cognitivos, aqueles que favoreçam a concentração, interação, resolução de conflitos, entre tantos outros.

 

Em qual momento sua criança se encontra?

 

SENTIMENTOS E AÇÕES 

 

As crianças estão em pleno desenvolvimento, cada aprendizado e novas aquisições são fermentos que impulsionam sua maturação.

 

De forma exemplificada, poderíamos dizer que as crianças aprendem pela experiência e pelo ensinamento, sendo que aquilo que é vivido pelas duas formas é o que melhor absorve.

 

Em um primeiro momento, elas não entendem o que sentem, mas isso não as impede de sentir, por isso são tão intensas em suas expressões. Se estão empolgadas com algo, gritam e correm, se estão frustradas choram, se estão tristes se isolam, e assim por diante.

 

Crianças também experienciam sentimentos que podem ser negativos, e às vezes para os adultos são sentimentos ruins. Acolher e nomear o sentimento para a criança valida que aquela experiência que ela vive é real e tem com quem contar para auxiliá-las nessa vivência.

 

Veja bem, acolher o sentimento não é ser permissivo com sua ação, acolher é oferecer refúgio e proteção com orientação. Explicar que aquele sentimento é normal e todos sentem, mas o que se faz com aquele sentimento é o ponto principal: “Tá tudo bem sentir raiva, mas você não pode bater”, “Você está triste, estou vendo. Conversar pode ajudar a aliviar. Quer falar comigo?”, “Estou te vendo muito sozinho, você quer um abraço? Podemos fazer algo juntos quando eu terminar meu trabalho!”.

 

️Acolhimento precisa de orientação.

Falas como: “Uma criança que tem tudo não tem motivo para estar triste!”, “Tem pessoas em situações muito mais difíceis que essa!”, além de sobrecarregarem a criança com culpa pelo sentimento que ela está tendo, não a orientam a sair desse lugar e ela pode se tornar mais reativa, chorando mais, ficando menos tempo com os familiares, se isolando, com semblante triste, sem apetite. 

️Nesses momentos, é importante perceber que a criança está em um processo que necessita de atenção. Para algumas, cabe uma avaliação e orientação aos pais.



Comentários
×