Você é uma pessoa interesseira?

Toda ação humana é movida por um interesse. Desde os nômades, que mudam de um lugar para o outro, passando pelos relacionamentos, aos negócios e, inclusive, quando você resolve ter um bicho de estimação.

Se você concorda comigo, por que então quando alguém é taxado de interesseiro damos uma conotação negativa?

Pense comigo: por que você trabalha? Certamente por um interesse, que pode ser o salário, o seu bem-estar, a carreira ou, mesmo, pelo status. E nos relacionamentos? Por que você namora quem namora? Por que você se casou com a sua atual esposa ou esposo? Certamente porque encontrou algo de interessante nessa pessoa, logo, está presente, novamente, o interesse.

A discussão entre interesse e posição é um tema que trabalho muito nos cursos de negociação. Neles, mostro que precisamos compreender corretamente o interesse das partes para se chegar a um melhor acordo. O problema é quando você deixa o interesse de lado e se concentra na sua posição.

O que seria então a posição? Ela diz respeito a um ponto de vista, a um lado escolhido e que, por mais que haja um interesse maior envolvido, você se mantém na sua posição. Obviamente, se estivermos falando de valores como honestidade, cooperação, respeito ao próximo, dentre outros, é bom que você se mantenha firme nesta posição, entretanto, o que eu quero tratar aqui, é que muitas pessoas perdem muitas oportunidades por se manterem numa determinada posição sem se concentrar no interesse.

Vamos a um exemplo: se você é cruzeirense e precisa que o seu maior rival, o Atlético Mineiro, vença um determinado jogo contra o Flamengo, que é o líder do campeonato. Se o Atlético Mineiro vencer, o Flamengo deixaria de subir na tabela e permitiria que o seu time, o Cruzeiro, se tornasse vice-líder do campeonato. Para qual time você torceria? Se você é cruzeirense e, mesmo assim, torceu para que Atlético vencesse, parabéns, você é um cara que trabalha visando ao interesse maior. Agora, se, mesmo sabendo que a vitória do Atlético sobre o Flamengo beneficiaria o seu time e, ainda assim, você torceu contra o Atlético, é um cara focado na posição.

Muitas vezes, em uma negociação, você vai ter que abrir mão da sua posição e focar no interesse. Vamos dar outro exemplo: você é lojista e em um belo dia entra na sua loja uma pessoa que você tem por desafeto, entretanto, independentemente de você gostar dessa pessoa ou não, ela entrou no seu estabelecimento para comprar um produto. Como seu negócio é focado no interesse (gerar lucro), certamente você vai atender essa pessoa, afinal de contas, você precisa vender para pagar suas contas. Diante disso, pergunto: seria você um interesseiro por tomar tal atitude?

Acredito que você já tenha entendido que somos eminentemente seres interesseiros, assim como os animais, que também seguem a mão que o alimenta ou que atravessam campos e mais campos atrás do alimento, ou, mesmo, quando estão sempre dispostos a travar uma batalha com seu oponente pelo interesse em reproduzir.

Aceitar essa verdade é um sinal de inteligência, afinal de contas, as grandes conquistas vêm motivadas e pelo interesse.

Então fica aqui outra pergunta: por que a palavra interesseiro tem uma conotação negativa? Talvez pelo fato de que, muitas vezes, as pessoas estão dispostas a passar por cima de valores e princípios éticos e morais para conseguir aquilo que é de seu interesse. Quando o interesse suplanta esses valores, nasce a corrupção, o crime, a extorsão e as vantagens indevidas.

Somos humanos e, como tais, temos os dois lados em nós, mas a reflexão de hoje é para que você possa compreender que você deve viver a sua vida e planejá-la de acordo com seus interesses. Isso deve ser feito sem abrir mão de posições ligadas a valores éticos e morais, afinal de contas, gostamos de pessoas que buscam seus interesses, mas detestamos aquelas que passam por cima dos outros para isso. Bom fim de semana a todos!

comercial.professormarcosfabio@gmail.com

Comentários
×