Virou bagunça

Editorial

Uma hora uma ofensa, outra um bate-boca, abordagens e falas inapropriadas. E assim segue a “peleja” para administrar Divinópolis. Não se sabe ainda os verdadeiros motivos que levaram o prefeito Gleidson Azevedo (PSC) a abordar agentes de trânsito que trabalhavam no último sábado e fazer um vídeo do momento, dizendo que não gosta de multas. Na realidade, ninguém gosta de ser multado, porém, só é multado quem desrespeita as leis. Por aqui, a situação sempre foge do controle e tudo muito engraçado. O prefeito diz não ser político, no entanto, foi eleito para representar a população de Divinópolis, mas representa mesmo? O povo está preparado para deixar de seguir as regras, as leis? Isso sem dizer que já não segue, só quando é obrigado porque vai doer no bolso. Dá para imaginar a bagunça que vai virar se de fato for feito da forma que o chefe do Executivo quer? Afinal, se trata de mais um vídeo para atrair seguidores ou ter curtidas? Ou se trata de uma afronta às leis existentes? A cada dia a situação piora e não há nenhuma expectativa de que vá melhorar. Se o prefeito grita aos quatro cantos que não é político, como resolver tal impasse?

Um prefeito é um político, sim. Talvez, ele ainda não tenha se dado conta do que faz e do que representa, por isso, toma certas atitudes sem pensar. O famoso “eu falo, depois eu analiso”, que não é nada recomendável para quem ocupa um cargo público. O resultado pode ser devastador, incluindo o querer ganhar tudo no grito, agredindo a moral de pessoas idôneas. E essas pessoas duramente agredidas por diversas vezes têm uma curiosidade: por que tanto medo e insegurança em mostrar e falar a verdade? A imprensa vem sendo atacada sem dó e piedade, colocada no mesmo balaio. Xingada de corrupta, responsabilizada por publicar notícias falsas e por esconder a verdade. No entanto, a verdade que está escancarada é que existe um despreparo gigantesco para conduzir uma cidade deste tamanho para que ela cresça e se transforme. Além disso, está claro como a neve que a falta de habilidade não é somente do chefe, mas de boa parte de pessoas nomeadas que o rodeiam. Falta bom senso, jogo de cintura e, principalmente, preparo para lidar com secretarias que são consideradas o coração de uma prefeitura.

A vida pública é árdua, mas todos, antes de entrar nela, já sabem o tamanho do chifre do boi que precisam segurar. Por isso, exige, além de preparação, educação, respeito, princípios éticos e, sobretudo, sabedoria ao lidar com o próximo e o que está previsto na Carta Magna, ou seja, nossa Constituição Federal. Não resta dúvida que, tendo estes conhecimentos e requisitos, com certeza, estará preparado para assumir uma responsabilidade tão grande como administração do principal município de uma região. É fundamental saber o papel de cada um e que a tal transparência pregada exista de fato, para depois não querer calar a todos com os gritos e falta de respeito. Dito isso, nos resta esperar e orar para que a verdade sempre vença. O povo não aguenta mais ser colocado à prova e humilhado! É vergonhoso uma cidade com um potencial tão grande ser ignorada em prol de vídeos, egos e o “Euuuu”. “Tamo junto” mesmo? Será?

Comentários
×