Violência contra mulher é tema da reunião da Acasp

Lei que cria cadastro nacional de condenados por estupro já está em vigor, houve redução dos crimes na cidade

Da Redação

A reunião da Associação Comunitária Para Assuntos de Segurança Pública (Acasp) abordou a temática “violência contra a mulher”, pelo seu presidente, Breno Clementino, que comentou sobre a lei que entrou em vigor na última sexta-feira, 2.

— Como a Acasp é uma associação de segurança pública, hoje trago a notícia de mais uma conquista para a nossa sociedade. A lei 14.069/20, que cria um cadastro nacional de condenados por estupro entrou em vigor, isso quer dizer que a partir de agora será criado um banco de dados com as informações e características destes criminosos. Esta é mais uma importante ação para a segurança pública nacional — enfatizou. 

Redução 

O comandante do 23º Batalhão da Polícia Militar, major Erlando, complementou a fala do presidente da Acasp com os dados atualizados de estupro nos anos de 2019 e 2020 no município .

— Em Divinópolis, no período de 1º de janeiro a 5 de outubro em 2019, foram registrados 60 casos de estupros consumados. No mesmo período, em 2020, foram 34 registros, sendo assim, houve uma redução criminal de 43%. Já as ocorrências de estupro tentados, em 2019, foram 14 e em 2020 apenas três, resultando em uma redução de 78% — revelou. 

Foi ressaltada também a importante diminuição dos casos no município.

— O número de mulheres que passam por este tipo de violência ainda é grande, apesar de estarmos observando uma atual diminuição nos registros. O que nós precisamos enfatizar é a conscientização da população, os trabalhos de prevenção, e principalmente, o apoio às vítimas deste tipo de crime — concluiu.

Além do major Erlando, participou do encontro, o novo comandante da 7ª Companhia de Polícia Militar Independente de Policiamento Especializado, capitão Hélcio Tavares Rezende.

Mesmo após o município ter retrocedido para a onda amarela no programa Minas Consciente, a Acasp continua realizando suas reuniões, mantendo as medidas de seguranças, segundo a entidade. 

 

Comentários
×