Vigilância encontra irregularidades em evento no parque de exposições

Prefeitura afirma que situação foi resolvida, permitindo o prosseguimento da festa; populares registram aglomerações em outros pontos da cidade

 

Bruno Bueno

Divinópolis vive, sem dúvida, o melhor momento da pandemia de covid-19 neste ano. Com uma significativa redução no número de mortes, internações e casos, o município começa a retomar a normalidade de quase dois anos atrás. Um exemplo da mudança é a liberação de eventos com grande quantidade de pessoas.

No último fim de semana, a cidade registrou vários eventos públicos em diversos pontos da cidade. Apesar da liberação concedida pelo programa Minas Consciente, essas festas precisam cumprir protocolos de saúde restritos e definidos pela Prefeitura de Divinópolis. 

Em um desses eventos, no parque de exposições, a Vigilância Sanitária precisou comparecer ao local e encontrou algumas irregularidades.

Irregularidades

Conforme a Prefeitura, as irregularidades foram sanadas e o evento pode prosseguir normalmente. O Executivo não informou quais exigências foram descumpridas no local

— Nesse caso específico, a Vigilância Sanitária esteve no evento em dois momentos. As irregularidades encontradas foram sanadas com a Vigilância Sanitária. Se as irregularidades não são sanadas, o evento é fechado — ressaltou.

Aglomerações

O caso não parece ter sido isolado. Durante o fim de semana, o Agora recebeu denúncias de aglomerações em eventos ao redor de toda a cidade. Mesmo com a autorização concedida, populares alegaram que as medidas de segurança exigidas, como distanciamento social, uso de máscara, aferição de temperatura e outros, não estão sendo cumpridos.

— Uma bagunça. Passei próximo a um evento no bairro Bom Pastor e era nítida a falta de organização no local. Muitas pessoas estavam aglomeradas para entrar e nenhum tipo de fiscalização — relata o vendedor Marco Túlio.

Ele ainda relata que o descumprimento das normas atrapalha os trabalhadores do ramo que ficaram inativos durante a pandemia.

— Não sou contra a realização de eventos. Pelo contrário, muitas pessoas que trabalham nesse ramo ficaram muito tempo inativas. Precisam voltar, mas com segurança. Quem se aglomera e descumpre as normas não só está prejudicando esses trabalhadores, mas também contribuindo para a proliferação do vírus — disse.

Polícia Militar

O Agora questionou a Polícia Militar, por meio da assessoria de comunicação, sobre a realização de festas no fim de semana. 

A PM disse não ter recebido denúncias sobre festas clandestinas e aglomerações, mas ressaltou que compareceu em denúncias de perturbação do sossego, que foram resolvidas no local.

Dobrou

As aglomerações preocupam as autoridades municipais, já que, mesmo com a nítida melhora dos indicadores da pandemia nos últimos meses, a microrregião de Divinópolis regrediu, na última quinta-feira, 26, para a onda amarela do programa Minas Consciente. A pontuação dobrou de grau de risco ‒ de 7 para 14 em uma semana.

O secretário municipal de Saúde, Alan Rodrigo, ressalta a preocupação da cidade com a regressão para a onda amarela. Para ele, a velocidade da transmissão é significativamente alta.

— Na microrregião, os indicadores que fazem com que fiquemos em alerta são a incidência e a velocidade de avanço da doença, já que, em capacidade de atendimento, estamos bem. As pessoas não estão se hospitalizado, mas estão transmitindo muito e em velocidade rápida — explicou. 

Ele também reforçou a necessidade da manutenção das medidas para a prevenção da doença como  usar máscara, lavar frequentemente as mãos, fazer uso de álcool em gel e manter o distanciamento social.

— Temos que manter todas as medidas preventivas para fazer com que a transmissão da doença fique mais lenta e para que fiquemos em um ambiente mais seguro para avançar, até que tenhamos imunidade de rebanho suficiente para que a gente consiga falar em fim da pandemia — destacou. 

Confira algumas das exigências da Vigilância Sanitária para a liberação de eventos e festas na cidade:

  • fornecer álcool 70%;
  • quando não estiver em consumo, será obrigatório o uso de máscara;
  • galheteiros, saleiros, açucareiros devem ter seus recipientes higienizados com álcool 70% após cada uso;
  • demarcação no chão de espaços para filas a cada 1,5 m; 
  • monitoramento das entradas e saídas;
  • alocar funcionários para garantir que as pessoas sigam o distanciamento;
  • demarcação por meio de barreiras de acesso e identificação em parede com definição de público máximo permitido naquela área;
  • as mesas poderão ser juntadas para grupos de pessoas de mesmo convívio;
  • a distância entre cadeiras de mesas diferentes deve ser de no mínimo 1,5m.
Comentários
×