Vice-prefeita atrasou construção de ponte entre o Realengo e Maria Peçanha, afirma Print

Presidente da Câmara criticou postura da secretária de Governo e pediu união entre Executivo e Legislativo; obras podem começar ainda neste ano

 

Bruno Bueno

O clima entre o Executivo e o Legislativo de Divinópolis esquentou mais uma vez. Durante seu pronunciamento na 60ª Reunião Ordinária, na tarde de ontem, o presidente da Câmara Municipal, vereador Eduardo Print Júnior (PSDB), teceu duras críticas à vice-prefeita, Janete Aparecida (PSC).

Segundo Print, a secretária de governo atrasou a construção da ponte entre os bairros Realengo e Maria Peçanha na última reunião da legislatura passada. Janete, que na época ainda era vereadora, pediu aos colegas parlamentares que votassem contra o projeto que previa a aquisição de um empréstimo para o início das obras. A justificativa dada pela vice-prefeita, conforme Print, é que a secretária não queria dinheiro emprestado em sua gestão.

— Nós votamos pelo empréstimo para a conclusão das obras. No entanto, no final do ano passado, o valor foi devolvido ao Município. Eu comentei com a vice-prefeita Janete Aparecida (PSC) que o projeto só não está em vigor porque ela disse que não queria dinheiro emprestado naquela época. Se hoje está atrasado, infelizmente, é por um jeito precoce de lidar com a situação, um êxtase na vitória das eleições e de um novo modelo de política. No plenarinho e na reunião com os vereadores, você [Janete] pediu para votar contra — afirmou o vereador.

 

E a ponte?

As críticas começaram quando o vereador justificou sua ausência na última reunião da Câmara. Ele informou sobre o encontro entre representantes políticos de Divinópolis  com o governador Romeu Zema (Novo) sobre a abertura do Hospital Regional. 

Além dos trâmites sobre o local, o deputado Domingos Sávio (PSDB), segundo Print, articulou a construção da ponte. Conforme o vereador, as obras beneficiariam os moradores dos bairros Terra Azul, Santa Lúcia, Costa Azul, Dona Rosa, Interlagos, Jusa Fonseca e outros próximos ao local, que, atualmente, precisam realizar um deslocamento de 30 minutos para chegar ao hospital. A construção pode começar ainda neste ano.

— Discutimos sobre a população que mora nas proximidades do hospital. O tempo que vai se gastar dentro de uma ambulância para chegar no local é muito longo. Dependendo do dia e horário, o trajeto pode demorar até 30 minutos. O deputado Domingos Sávio, dentro dessa tramitação que o Estado vai receber esse hospital público, pediu ao governador que enviasse R$ 15 milhões para a construção da sonhada ponte que liga o bairro Realengo ao Maria Peçanha — disse. 

 

De passagem

Print justificou a exposição do caso. Segundo ele, os vereadores não devem ser egoístas, pois eles estão no Legislativo somente de passagem. O presidente pediu que o foco dos parlamentares seja contribuir para a melhoria dos divinopolitanos.

— Nós estamos aqui, no Legislativo, de passagem. Não iremos levar nada aqui, somente as benfeitorias e melhorias que fizemos para nossos eleitores e quem não votou na gente, mas pediu nossa ajuda e o vereador acabou fazendo algo para beneficiar uma região. O egoísmo e o jeito de tratar a política, e até mesmo de se achar melhor que o outro, isso não vai levar ninguém a nada, pois o mundo dá voltas — ressaltou. 

 

O presidente da Casa ressaltou que as brigas entre parlamentares ‒ recorrentes nesta legislatura ‒ devem ser deixadas de lado. Print exemplificou que o projeto mal discutido no ano passado gerou enormes prejuízos para a população.

— Vereadores: deixem os egos de lado. Cuidem das pessoas e dos eleitores que colocaram vocês nesta casa. As brigas e picuinhas paralelas não vão levar ninguém a nada. Uma palavra mal colocada, um projeto, pode prejudicar uma cidade por um, dois, três ou dez anos. Na última reunião, um projeto mal discutido, olha o prejuízo que trouxe para Divinópolis. A ponte tem que sair, mas, por falta de articulação, simplicidade e humildade, o projeto foi devolvido e a população vai ter que esperar mais tempo — informou.

 

União 

Por fim, Eduardo Print Júnior (PSDB) pediu união entre o Executivo e o Legislativo Municipal. Ele também disse que a lua de mel do prefeito Gleidson Azevedo (PSC) pode estar acabando.

— Se é importante para o povo, vamos debater em conjunto. As picuinhas, os egos e as eleições: discutam isso dentro do seu eleitorado, sem ataques a vereadores e seus projetos. Para que isso, se todos nós estamos com o propósito de melhorar a vida da população? (...) Todo prefeito vive sua lua de mel, mas depois os problemas começam a aparecer. Não tem como ajudar 100% da população em quatro anos. Temos que falar de política com todos os vereadores, prefeito e secretários. (...) Vamos repensar o formato de agir um com o outro — enfatizou.

 

Comentários
×