Vereador vira réu em processo por estupro

 

Maria Tereza Oliveira

Matheus Costa (PPS), mais uma vez, está no olho do furacão de uma polêmica. Após dois anos de tramitação, a denúncia de estupro feita pelo Ministério Público (MP) contra o vereador foi recebida pela 3ª Vara Criminal da Comarca de Divinópolis.

Desde que assumiu um lugar na Câmara, Matheus Costa tem protagonizado algumas situações dentro e fora da Casa Legislativa. Em 2016, o vereador foi acusado por uma mulher de forçá-la a ter relações sexuais em um motel.

Na época, Matheus negou a acusação, mas o processo seguiu. Após dois anos, o assunto voltou à tona, e o vereador foi sucinto.

Surpresa

Tão logo foi avisado que a 3ª Vara Criminal recebeu a denúncia contra ele, Matheus afirmou ter ficado surpreso. O parlamentar alegou acreditar que o processo já teria sido extinto por falta de provas.

Em sua fala na Tribuna durante a reunião de ontem, o edil afirmou que é quem mais quer a situação esclarecida. Embora tenha sido breve em relação ao assunto, Matheus alegou inocência.

— Prestei conta do caso e afirmo que irei conseguir mostrar a verdade. Ainda não fui intimado, mas quis trazer esse assunto para a tribuna, porque quem não deve não teme — reforçou.

O vereador lembrou que, na época em que o escândalo estourou, procurou as autoridades responsáveis e inclusive a imprensa para esclarecer a situação.

— Peço que não haja nenhum pré-julgamento, pois irei esclarecer a verdade — prometeu.

Relembre o caso

A acusação foi feita em 18 de dezembro de 2016. A suposta vítima tinha 24 anos na época e afirmou ter beijado Costa em uma festa.

De acordo com o boletim de ocorrência, o suspeito a teria convidado para ir com ele para um motel, do qual ele é dono.

Ainda segundo o boletim, ao chegarem ao local, a mulher teria se negado a ter relações sexuais com Matheus, que, por sua vez, teria a estuprado sem o uso de preservativo.

Na época, Costa procurou a imprensa e negou o ocorrido.

Processo

Aos poucos, o assunto foi morrendo na cidade, mas o processo não. A acusação chegou à Secretaria de Justiça em 13 de fevereiro de 2017. Ele continuou tramitando durante todos esses meses.

Os autos foram entregues em carga ao Ministério Público no dia 29 de junho de 2017. Eles foram recebidos pelo MP em 14 de dezembro do ano passado e continuaram tramitando, até que, no dia 1º, a denúncia foi recebida na 3ª Vara e Matheus se tornou oficialmente réu do processo.  

Início polêmico

Esta não foi a primeira situação “desconfortável” que o parlamentar passou desde que ocupou a cadeira de vereador no início do ano.

Em seu primeiro pronunciamento, sem citar nomes, Matheus afirmou que um colega havia o intimidado, pedindo que ele “pegasse leve”.

Na semana passada, Matheus voltou a ser assunto, quando expôs um desentendimento com o secretário de Esportes, Ewerton Dutra de Mendonça, ocorrido durante o pré-carnaval em Divinópolis.

Matheus disse que Ewerton teria o agredido verbalmente no evento, por causa das críticas que o vereador fez à Secretaria de Esportes.

— Ele apontou o dedo na minha cara e me ofendeu com palavras de baixo calão e ainda disse que eu não sou homem de verdade — afirmou.

Ele também alegou ter sido intimidado pelo secretário.

— Ewerton disse que eu tenho “teto de vidro” e que eles vão me arregaçar. Achei que a atitude foi deselegante — opinou.

Na época, o Agora ouviu o secretário, que alegou que tudo não passou de um mal-entendido. Disse também que não teve a intenção de ofender o vereador e, muito menos, sua mãe.

— Eu não tenho nada contra ele. Só não gostei da maneira pela qual o Matheus se dirigiu à Secretaria de Esportes, mas o que ele falou sobre mim nas reuniões não me ofendeu. Inclusive, tenho o maior orgulho em ser cunhado do Rinaldo Valério (DC) — explicou.

‘Mulher Cidadã’

A noite desta quinta-feira, 7, foi de homenagem na Câmara Municipal. Mulheres receberam o diploma “Mulher Cidadã” das mãos dos 17 vereadores em homenagem ao Dia Internacional da Mulher, celebrado hoje. O plenário ficou lotado de convidados e parentes.

Comentários
×