Vereador diz ter sido ameaçado após denunciar possível cartel em postos

Revelação foi feita por Flávio Marra; esquema de favorecimento explicaria alto preço da gasolina, segundo ele

Bruno Bueno

Quem percorre as ruas de Divinópolis já se acostumou a ficar espantado com o preço da gasolina nos últimos dias. O valor do combustível, que já chega a quase R$ 6, tem aumentado frequentemente e provocado revolta na população, que tem observado igualdade nos valores em alguns estabelecimentos.

O motivo do constante aumento no município pode virar caso de polícia. De acordo com denúncias feitas pelo vereador Flávio Marra (Patriota) na última semana, um esquema de cartel de combustíveis pode estar ocorrendo na cidade, o que explicaria os aumentos, segundo ele, que são mais frequentes do que em outras cidades da região.

Após a denúncia, o parlamentar relatou que foi ameaçado. Flávio mostrou o áudio contendo a intimidação na reunião ordinária da Câmara, ocorrida na última terça-feira, 9. 

Indignado, o vereador mandou um recado para o dono da gravação.

— Você é tão covarde que usou um chip falso e depois descartou. Eu não tenho medo de você. Não tenho medo das suas colocações. E não tenho medo da sua ameaça — afirmou.

Ameaça

— Vereador, beleza? Eu vi seu vídeo sobre postos de combustíveis. Eu não sei se você não entendeu, já que você tá chegando agora, mas deixa eu te falar: a banda não toca assim, não. Você usou um termo muito forte pra falar, dizendo cartel. Só uma dica: tome cuidado. Não encare como uma ameaça, isso é só um aviso — disse o homem, que ainda não foi identificado.

Flávio Marra conversou com exclusividade com a reportagem e disse que não se intimidou com a ameaça.

— Eu não vou parar, eu não tenho medo. Não me preocupo com empresário e com partido, não foram eles que me elegeram. Eu estou aqui para representar a população. Não estou aqui para fazer populismo, meu papel como vereador é fiscalizar, fazer a denúncia e passar para os órgãos competentes — comentou.

Cartel

Conforme a denúncia do vereador, os membros do cartel seriam os donos dos maiores postos da cidade. Eles comprariam os estabelecimentos menores e, em reunião, aumentariam o preço constantemente para continuar realizando aquisições.

O parlamentar disse que vai propor uma CPI para investigar esse possível esquema de quadrilha.

— Vou propor isso em reunião no plenário. Vamos fazer uma CPI, por que não? Quem não deve, não teme. É hora de investigar. A população de Divinópolis não aguenta mais pagar esse preço no combustível — disse.

Flávio deu mais detalhes sobre o conteúdo da denúncia.

— Eu não tenho como provar isso, porque existem poucos rastros. Creio que a polícia e o Ministério Público (MP) irão realizar o trabalho investigativo. Eu acredito que a denúncia tenha vindo de funcionários de postos de gasolina — explica.

Manifestação

Em protesto contra o preço alto dos combustíveis, populares realizaram uma manifestação em postos da cidade no início da noite de ontem. A carreata saiu da avenida 7 de Setembro, esquina com a Divino Espírito Santo e percorreu os principais postos de gasolina da região.

Flávio Marra, um dos participantes da carreata, detalhou sobre a manifestação.

— Fomos aos postos da cidade e abastecemos apenas R$ 0,50, ainda pedimos a notinha. É uma forma de protestarmos com o preço absurdo da gasolina na cidade — afirmou.

Apelo

O parlamentar, ao término da entrevista, fez um apelo de conscientização para as pessoas.

— Temos que fazer uma política de conscientização. Quando tem uma greve dos postos de combustíveis, não podemos correr para abastecer. Fazendo filas quilométricas não iremos resolver essa situação. Se não colocarmos gasolina, os empresários, os membros desse cartel, talvez eles não aumentem o preço. Nós que os deixamos milionários — pediu.

 

 

Comentários
×