Vereador denuncia médica por destratar pacientes

Maria Tereza Oliveira

Os moradores do bairro Afonso Pena fizeram um abaixo-assinado para que uma médica que atende no Centro de Saúde local seja transferida. O vereador Josafá Anderson (Cidadania) levou o assunto para a Câmara, quando em seu pronunciamento na última terça, 2, destacou a insatisfação da população com a profissional.

Não é de hoje que a saúde em Divinópolis tem sido o “calcanhar de Aquiles”. Constantemente ela é pauta, seja por falta de recursos, colapso na Unidade de Pronto Atendimento (UPA), problemas com o programa “Mais Médicos”, ameaças de greves, e, além disso, ainda tem de lidar com os casos de dengue que não param de brotar.

Sem respeito

Josafá afirmou que o posto de saúde está abandonado. Ainda de acordo com o vereador, uma das médicas que atende no local tem tratado os pacientes com afronte e desrespeito. Ele não citou o nome da profissional em questão.

— O Afonso Pena tem de ser tratado com mais atenção, porque é um bairro com maior número de idosos. É um absurdo a atitude desta profissional que mancha o nome dos funcionários públicos — destaca.

O parlamentar acredita que a médica está desestabilizando o atendimento da unidade de saúde.

— O abaixo-assinado já conta com mais de 600 assinaturas. O documento pede para que a profissional seja substituída. O pessoal não aguenta mais. Ela atende os pacientes quando quer, grita e desrespeita — revelou.

Josafá salienta que, embora entenda a situação caótica que a saúde tem enfrentado, o serviço tem de ser prestado com respeito.

— O governo do Estado não repassa as verbas e, só para a UPA já são mais de dois anos sem receber repasses. Romeu Zema (Novo) está indo pelo mesmo caminho de Fernando Pimentel (PT) — reclamou.

Ele pediu que Divinópolis receba mais atenção do Estado.

Outro lado

O Agora procurou a Prefeitura para esclarecer a situação. De acordo com a assessoria de comunicação, o fato ainda não chegou ao conhecimento do Executivo.

Todavia, a Prefeitura afirmou que todos os funcionários do Município são orientados a tratar com educação e cordialidade a todos, sejam colegas ou a população.

O Executivo revelou que toda situação em que o cidadão sinta que teve tratamento desconfortável, deve ser reportada para a pasta do serviço.

Após a denúncia, a secretaria responsável faz a apuração dos fatos e, depois da investigação, as atitudes cabíveis são aplicadas.

Mais ou menos médicos?

Essa situação não é a primeira polêmica envolvendo médicos este ano. Em dezembro passado, após controvérsias de Cuba com Jair Bolsonaro (PSL) e a saída do país do programa “Mais Médicos”, rapidamente Divinópolis recebeu 18 novos profissionais do programa.

Porém, dois meses depois, no último 28 de fevereiro, oito deles deixaram o cargo. Com isso, as unidades de saúde ficaram prejudicadas e a UPA ficou superlotada.

A Prefeitura já abriu processo seletivo para contratar médicos. O edital foi publicado no último dia 26 de março no Diário Oficial.

Os interessados deverão comparecer com a documentação até 8 de abril, das 12h30 às 17h30, à Gerência de Recursos Humanos da Secretaria Municipal de Saúde (Semusa).

 

Comentários
×