Vereador acusa esquema de propina, mas não cita nomes

 

Maria Tereza Oliveira

Mais uma vez, a Prefeitura está no ‘olho do furacão’. Isso porque o vereador Matheus Costa (Cidadania) tem feito acusações sobre um suposto esquema de corrupção na área de liberação de alvarás de construção civil na cidade. Segundo o vereador, a liberação para a obra é agilizada ou atrasada de acordo com o pagamento ou não de propina.

Sem citar nomes, Matheus acusa funcionários da Prefeitura de atrasar propositalmente em até dois anos e meio o alvará de algumas construções.

Sem nomes

Embora o parlamentar tenha sido firme nas acusações na terça, 23, e confirmado ontem; mesmo quando foi questionado pelo colega Renato Ferreira (PSDB), Matheus se negou a citar nomes por enquanto.

O líder do governo na Câmara, Eduardo Print Júnior (SD), também cobrou embasamento na acusação. Ele destaca que toda denúncia apresentada na Casa deve ter um rastro para que seja investigada, dando nomes e provas para o andamento do processo. Ainda de acordo com Print, caso um ou mais servidores façam parte do esquema, eles devem ser afastados até a conclusão das apurações.

De acordo com o denunciante, ele irá apresentar os nomes dos supostos funcionários suspeitos após colher mais provas.

Matheus afirmou ainda estar entrando em contato com um órgão competente para fundamentar a acusação. Segundo o edil, as denúncias serão encaminhadas para o Jurídico, e ele ainda prometeu que “levará a história até o fim”.

Esquema

Não é de hoje que os vereadores divinopolitanos reclamam de possíveis dificuldades enfrentadas pelos empresários da cidade.

Com esta denúncia, Matheus apontou os holofotes para outra suposta pedra no caminho dos empreendedores da construção civil em Divinópolis.

O parlamentar lamentou a debandada de empresas da cidade e salientou que os que querem se manter na cidade, ou iniciar um negócio, têm de pagar propina para adiantar.

Ironizou a situação dizendo que aparentemente a remuneração para os funcionários deve ser curta, por isso eles optam pela cobrança irregular.

O vereador revelou que se reuniu com pessoas que teriam sido vítimas do esquema.

Atraso recorrente

Há tempos, arquitetos e engenheiros que assinam projetos de obras no município reclamam do tempo gasto pela Prefeitura para analisar e aprovar as propostas.

Como resposta, o Executivo justificava a lentidão como resultado da burocracia. Em outros casos, o efetivo de funcionários foi a alegação para a demora nas análises.

Em 2017 e 2018 diversos empresários da construção civil divinopolitanos usaram a tribuna da Câmara para reclamar da situação. Em todas as oportunidades, os profissionais do ramo pediram ajuda do Legislativo para solucionar o problema.

O tempo gasto nas obras de Divinópolis, em comparação com o de outras cidades, seria muito maior, segundo os empresários.

Prefeitura

Ao Agora o Executivo informou e fez alguns questionamentos sobre a polêmica. A assessoria de imprensa se limitou a afirmar que não recebeu nenhuma denúncia oficial sobre o assunto.

 

Comentários
×