Ventos sopraram a favor

Batendo Bola

 

José Carlos de Oliveira

 

jcqueroviver@hotmail.com.br

 

Ventos sopraram a favor

 

Agora são 16h34, e escrevo esta coluna ainda sem saber como ficará a situação do Guarani, que joga mais tarde contra o Democrata Pantera, em Governador Valadares, no fechamento da penúltima rodada do Campeonato Mineiro do Módulo II, para continuar sonhando.

Mas, independentemente do que tenha acontecido na partida, a ordem lá para as bandas do Farião tem de ser para aproveitar tudo de bom que foi feito neste ano e tratar de não cometer mais erros no futuro. 

 

Rodada favorável

 

Os resultados do fim de semana levaram, sim, o Guarani a continuar sonhando, mas é melhor ir devagar para não ficar por demais frustrado depois. Ainda há chances matemáticas de classificação (pelo menos até ontem), porém, a palavra de ordem tem que ser evitar um novo rebaixamento. Os ventos sopraram a favor, que o time faça então em campo a sua parte e busque o resultado que precisa para evitar um desastre maior. 

 

Sobrevida

 

Com os jogos que foram disputados no fim de semana, o Guarani ganhou sobrevida e agora pode se salvar de um novo descenso – o rebaixamento para a Segunda Divisão – mesmo que não vença os dois jogos que ainda lhe restam. Mas, para não depender de qualquer outro resultado, basta um empate (ontem frente ao Democrata Pantera) ou na última rodada, quando recebe no Farião, neste sábado, 29, a visita do Tupi, de Juiz de Fora.

Hoje, para não sonhar alto demais, o negócio é buscar o pontinho que ainda falta para permanecer no Módulo II e tratar de arrumar a casa para sonhar mais alto no futuro.

 

Pecou em casa

 

Tristeza mesmo é olhar para a tabela e ver que o Guarani deixou escapar pelas mãos e próprios pés a chance de se garantir no quadrangular final. As duas derrotas seguidas em casa, contra equipes do meio da tabela (e o pior, já com a presença da torcida no Farião), foi a água no chope da rapaziada do Bugre. Tivessem vencido pelo menos um dos jogos, hoje estariam sonhando com o acesso. Não fizeram o dever de casa e agora têm que fazer contas para se salvar.

Infelizmente essa é a realidade, mas, como sempre, sou Guarani, na alegria e na tristeza, torço é para que os dirigentes encontrem o caminho e se fortaleçam dentro e fora das quatro linhas, para construir um novo futuro para o clube.

Comentários
×