Vaquinha virtual visa ajudar pacientes renais

Comissão de pacientes está se mobilizando para que medicamentos sejam disponibilizados

Da Redação

Influenciados pela atual pandemia e a necessidade de solidariedade entre as pessoas, alguns pacientes da nefrologia do Complexo de Saúde São João de Deus em Divinópolis montaram uma Comissão de Pacientes Renais. Essa comissão, a princípio, tem como objetivo buscar melhorias para os pacientes e suas necessidades, em a parceria com o Complexo de Saúde São João de Deus, Associação de Assistência aos Doentes Renais e Transplantados (Aadort) e Associação dos Pacientes Renais e Transplantados de Divinópolis e região Centro – Oeste de Minas (Adortrans).

No momento, uma das associações mais importantes que cuida dos pacientes renais em Divinópolis, a Associação dos Pacientes Renais e Transplantados de Divinópolis e região Centro-Oeste de Minas ( Adortrans), está passando por um período de transição com a troca de diretoria. Desta forma, por estar com carência de recursos, a associação não tem conseguido manter o repasse dos medicamentos essenciais para os pacientes.

Vaquinha

A Comissão então está se mobilizando para que esses medicamentos cheguem aos pacientes. Neste sentido, criou uma "Vaquinha virtual", para que as pessoas possam se sensibilizar com a causa dos pacientes renais e ajudar, fazendo doações de qualquer valor acima de R$ 10. A ação começou há uma semana e terá duração de 45 dias. A meta é atingir R$ 10 mil. Esse valor será usado por dois meses para suprir a carência dos medicamentos de todos os pacientes da nefrologia que sejam comprovadamente carentes e que residam em Divinópolis. Enquanto a vaquinha acontece, a comissão elabora outras ações voltadas ao bem estar e valorização do paciente renal.

— Qualquer informação sobre a Comissão de Pacientes Renais pode ser buscada na página no Facebook @todosjuntospelahemodialise. Nesta página também tem todas as informações. Coloque a mão no seu coração e doe o que puder. Doar é um ato de amor diz um dos responsáveis pela ação — Fabrício Ribeiro.

Comentários
×