Vai chover

Israel Leocádio

Olá! Como tem chovido nestes últimos dias, não! Vi, pela TV, na previsão do tempo, as chuvas eram certas para estes dias. Os apresentadores sempre falando de forma bem técnica (o que lhes é comum), usando termos meteorológicos que desconhecemos, como: zona de convergência do Atlântico, corredor de ar quente, cavado, ciclone tropical, baixas latitudes e coisas desse tipo (que não conseguimos compreender inteiramente). Fato é que, geralmente acertam. No passado, antes desse avanço tecnológico para nos auxiliar nas previsões, os métodos eram bem mais simples, não menos eficientes. Os mais antigos previam chuvas pela simples observação natural, como: o comportamento do vento, a formação de nuvens, a posição de um círculo em torno da lua ou até mesmo o comportamento de certos animais. E, também erravam pouco! Em outras palavras: O céu sempre foi sincero quanto aos seus sinais.

Pois é, os céus são sinceros quanto aos seus sinais, ainda hoje! Usando da metáfora da meteorologia, Jesus disse também às multidões: Quando vedes aparecer uma nuvem no poente, logo dizeis que vem chuva, e assim acontece; e, quando vedes soprar o vento sul, dizeis que haverá calor, e assim acontece” (Lucas 12.54-55). É o que acabamos de citar. Os céus são sinceros, seus sinais não têm o propósito de ocultar avisos importantes. Na realidade, olhando para os céus e seus sinais, arautos saíam às ruas e vilas, para informar sobre o período da lua nova; ou informavam sobre o início das estações, para os dias de festas. Foram os sinais nos céus que levaram os magos do Oriente até o local exato onde estava Jesus, recém-nascido. Os sinais no céu guiavam os marinheiros, os viajantes... Os céus não mentem!

Então, conclui o Senhor a sua reflexão: “Hipócritas, sabeis interpretar o aspecto da terra e do céu e, entretanto, não sabeis discernir esta época?” (Lucas 12.56). É hipocrisia humana fingir que os sinais que vemos não nos dizem nada sobre o tempo de tempestade que se aproxima!

Embora ocorra na terra, são sinais dos céus! A crise ambiental como nunca vista antes; as queimadas fora de controle; os alagamentos causados pela destruição da camada de ozônio; o aquecimento global; a mortandade dos animais (no mar e na terra); a biodiversidade se extinguindo; os conflitos entre as nações poderosas do mundo; a fome em vários lugares, causada pela intolerância religiosa, guerras civis, ódio político etc.; as ameaças de grandes guerras, ainda mais devastadoras; as dezenas de guerras já existentes; o número de refugiados, famintos, desabrigados, sedentos. Tudo isso é sintomático. Sobre tudo isso o céu já avisou! Está na previsão dos tempos: “E, certamente, ouvireis falar de guerras e rumores de guerras; vede, não vos assusteis, porque é necessário assim acontecer, mas ainda não é o fim. Porquanto se levantará nação contra nação, reino contra reino, e haverá fomes e terremotos em vários lugares; porém tudo isto é o princípio das dores. Então, sereis atribulados... E, por se multiplicar a iniquidade, o amor se esfriará de quase todos” (Mateus 24.6-12). O Meteorologista Universal já deixou a previsão! O mapa mundi está cheio de símbolos sobre cada nação. Haverá tempestade forte em quase todos os lugares.

Já dizia o ditado: ‘Quem avisa, amigo é!’ Como disse Jesus: “Quem tem ouvidos, ouça!”

Comentários
×