Vacinação nas escolas de Divinópolis entra em vigor

Maria Tereza Oliveira

Entrou em vigor na semana passada, a Lei 8.530/2018 que institui o programa “Vacina na Escola” para os alunos da educação infantil e do ensino fundamental das escolas municipais.

A lei levanta o debate sobre a importância da vacinação, sobretudo a infantil. Na cidade são realizadas inúmeras campanhas de conscientização sobre a importância da imunização.

Além disso, a Secretaria Municipal de Saúde (Semusa), por meio da Central de Imunização, iniciou a emissão do Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia (CIVP).

Movimento antivacinação

A vacinação tem sido assunto recorrente de debates nas redes sociais. Alguns pais se posicionaram contra a imunização e inclusive criaram um movimento antivacinação.

Em entrevista ao Agora, a Prefeitura comentou sobre o movimento e como ele impacta no controle de doenças.

— Tem-se hoje um movimento contra vacina que vem crescendo, com bases nem sempre científicas, poucos dados oficiais e que, apesar disso, angaria adeptos que acreditam que a vacina é agente agressor e não um meio eficaz de prevenção — disse.

A Administração relaciona o movimento com o aumento no risco destas doenças.

— A incidência de doenças está, sim, relacionada com a homogeneidade das coberturas vacinais. Quanto maior a cobertura, menos pessoas com risco para adoecimento — informou.

De acordo com a Prefeitura, mesmo com o problema, há de se pensar em particularidades individuais de resposta à vacina.

— Uma pequena parcela da população, mesmo que imunizada, não irá gerar proteção. Daí a importância de manter 95%, no mínimo, de cobertura vacinal — salientou.

Vacinação na escola

Para imunizar o máximo de pessoas possível, foi criada a lei 8.530/2018, que institui o programa “Vacina na Escola” para os alunos da educação infantil e do ensino fundamental das escolas municipais.

— Será mais uma estratégia que facilita o acesso à imunização, e espera-se que consequentemente haja impacto na cobertura vacinal — esclarece. 

Motivações

Para garantir que o maior número de pessoas seja imunizado, são realizadas diversas campanhas de conscientização.

— Ao longo deste ano, várias estratégias de vacinação extramuro foram implementadas como forma de garantir acesso àqueles que têm dificuldade para se deslocar até as unidades. Além destas estratégias, para cada Dia D de imunização aproveita-se a oportunidade para avaliar o cartão de vacinação e atualizar de acordo com o Calendário Nacional — explicou.   

CIVP

Quem precisa comprovar a vacinação, principalmente aquelas pessoas que vão fazer uma viagem internacional, necessita do CIVP.

O documento tem reconhecimento internacional e serve para comprovar o atendimento às exigências de vacinação ou profilaxia contra a febre amarela para imigração de viajantes internacionais em determinados países.

De acordo com a Prefeitura, para emiti-lo, o viajante deverá fazer o pré-cadastro no site da Anvisa (viajante.anvisa.gov.br).

— O documento usado no pré-cadastro deverá ser apresentado no Centro de Orientação do Viajante da cidade para a emissão do CIVP e no setor de embarque do aeroporto — esclareceu.

O e-mail inserido no pré-cadastro será usado pela Anvisa para enviar os passos para a finalização do cadastro. O viajante deverá anotar o login gerado pelo sistema e a senha colocada pelo próprio inscrito, dados necessários para acessar o sistema, fazer o agendamento e terminar o pré-cadastro.

— Após a finalização, é preciso confirmar o cadastramento. Caso não receba o e-mail de confirmação, deve-se entrar na plataforma do viajante, solicitar a troca de senha e proceder conforme orientações. Em seguida, agende data e horário pelo site, sendo um horário para cada pessoa — esclareceu.

Comentários
×