Uma grande mulher

Foi uma perda inigualável. Divinópolis se despediu de Dona Maria Martins neste domingo ensolarado, com muita tristeza. Em vida, foi uma mulher que se dedicou toda a fazer o bem e melhorar o que pudesse na vida de cada amigo ou necessitado. Nunca falou um não, sempre dava um jeito de acertar as coisas, perseguindo o seu caminho de fazer o bem. Tive o grande prazer de passar bons momentos com esta mulher vencedora e muito valente. Fica o seu legado. Um trabalho árduo e profícuo de liderança em tudo que se propôs em fazer ou realizar. Nós do Agora estamos de luto e desejamos que a família Martins tenha as bênçãos necessárias para compreender que todos somos iguais, e que o seu trabalho ainda não acabou por aqui. Que sejam todos felizes e que os projetos em andamento se realizem!

 

Cidade parada

 

Divinópolis deve ter tomado um chá de calmante nos últimos dias, pois nada tem acontecido neste pequeno/grande arraial que se transforme em motivo para um bom comentário. Nem falar do prefeito bem ou mal é possível, pois ele anda desaparecido e, nas vezes em que dá a cara, o faz com muita velocidade. Assim, sem qualquer perspectiva, a cidade vai caminhando como sempre, “com os seus próprios pés”, lembrando o grande poeta Carlos Altivo.

 

Já o Carnaval...

 

...vai muito bem, obrigado. Se um ou dois blocos não vão desfilar, os outros se encherão de mais gente e muito mais alegria. Os ensaios têm mostrado que o “Haja amor” está vindo para fazer frente ao “Bloco do Cleo”, que, no ano passado, foi um show. Neste ano, ainda será de aprendizado, mas em 2019 o bicho vai pegar, pois quem aprendeu vai colocar em prática e quem sabe, no outro ano, estes blocos não desfilam à noite nos dias de Carnaval pela avenida Primeiro de Junho e Goiás. Um após ou outro, com direito de quem gosta muito desfilar nos dois!

 

Loteria

 

Todo mundo fala que a vida é uma loteria e que depende muito mais da sorte, do que do suor ou das contas que se faz para acertar os números. Já outros comentam que loteria, principalmente as oficiais, não passam de marmelada. Ninguém tem provas desta segunda hipótese, mas, quando se vê que uma pessoa consegue ganhar mais de 500 vezes, outras 200, cem, etc, alguma coisa está errada nisso por aí. Não parece, é mesmo lavagem de dinheiro e a PF, que é muito mais esperta do que muita gente pensa, já está em cima para ver se descobre como um cara consegue acertar tantas vezes, se a maioria dos milhões nem sequer conseguem uma quadra!

 

De qualquer forma...

 

...jogar na loteria é, de fato, uma loteria. Quem assiste aos sorteios diz que não viu nada, enquanto quem se diz bem informado afirma que tudo não passa de uma combinação. Eu, particularmente não acredito, mas não posso me furtar em fazer um comentário sobre as bruxas: “yo no creo en brujas, pero que las hay, las hay!”. Haja couve por baixo deste mingau!

 

E o Galo...

 

Alguns torcedores do Cruzeiro têm chamado o time de “cabuloso”. Fui no dicionário olhar e está lá: “que traz ou tem azar, azarento”. “Que aborrece, maçante”. Confesso que não entendi o que o comentarista celeste do Alterosa Esporte quer dizer quando chama o Cruzeiro de “cabuloso”. Seria que dá azar, ou chato como todo cruzeirense que senta naquela bancada? Já o Galo, que não tem nada com isso, vai como sempre levando a sua torcida à loucura, perdendo, empatando, etc e tal. Mas isto já virou vício, ninguém se incomoda mais, é como na música: “Meu vício é você!”.

 

Comentários
×