Um pouco de alento

Editorial

Um pouco de alento 

Maio chegou e traz consigo um refresco  não só para o corpo, visto que o frio vem chegando devagarinho, mas principalmente para a alma, uma ponta de esperança. Após o “furacão” que Divinópolis passou em março e abril, devido à explosão de casos da covid-19, enfim os dados epidemiológicos trazem um pouco de alento. Depois de ter sido o mês mais letal da pandemia, abril se encerrou com a tão sonhada flecha de esperança. Na última sexta-feira, 30, pela primeira vez em pelo menos três meses, Divinópolis não registrou nenhum óbito por coronavírus. Além deste “feito”, o boletim epidemiológico divulgado pela Prefeitura mostra que o ritmo de contágio da doença também vem caindo. 

Em meados de fevereiro, este ritmo de contágio atingiu o seu auge com 1,25, e se estendeu variando entre 1,21 e 1,05 durante março e abril. Para aqueles que não sabem, o ritmo de contaminação é um cálculo que diz o quanto a doença tem se espalhado entre as pessoas. Quando esse número é menor ou igual a um, espera-se queda no número de casos. E, quando maior que um, espera-se um aumento no número de registros. Conforme o último boletim divulgado na  sexta-feira, 30, o ritmo de contágio em Divinópolis atualmente é de 0,78, o que mostra que as medidas de restrição adotadas nas últimas semanas surtiram efeito. 

No entanto, é importante ressaltar que para que maio não só traga, mas permaneça com o refresco para a alma a flecha de esperança, é necessário, mais do que nunca, responsabilidade coletiva. Isso nada mais é do que ter consciência de que você pensa não somente na sua vida, mas pela do próximo – sem falar na economia, que segue aos trancos e barrancos. E, para que não sejam necessários novos fechamentos, novos protestos sem noção, para que a vida possa fluir dentro do “novo normal”, é primordial que todos continuem seguindo as regras de prevenção ao vírus, pois já está mais do que provado que o povo pode tentar enganar, mas os dados epidemiológicos estão aí para mostrar a verdade. 

Que maio traga esperança, refresco para a alma, responsabilidade coletiva, empatia, amor próprio, amor ao próximo e entendimento. Sim! Que a população comece a entender que é necessário um esforço conjunto para que o máximo de vidas e a economia sejam preservados, até que as coisas comecem a caminhar rumo ao “novo normal”. Até que seja possível respirar aliviado, e lembrar-se de tudo isso como um terrível pesadelo, que foi superado. A luta ainda não acabou, ainda existem batalhas a serem vencidas, e é justamente para que esses sinais de melhora permaneçam e não se tornem apenas um sonho que não devemos “baixar a guarda”. Agora, mais do que nunca, é necessário que todos estejam juntos em um único propósito: vencer a guerra contra o inimigo invisível. 

Tomara que a população esteja focada e determinada a sair disso. Que os dados epidemiológicos nos permitam trazer as desejadas e boas notícias, pois é por isso que a alma anseia. Depois de meses turbulentos, o que o povo mais merece é paz, esperança, felicidade, vacina e índices que nos permitam sonhar. Que maio traga junho, julho e o restante do ano com muitas boas notícias.

Comentários
×