Tropeços e tropicos

Marli Gonçalves 

Aqui, pé esquerdo já todo roxo, mantido para cima enrolado com gelo, analgésico e anti-inflamatório daqueles, fortes, sublinguais, a coisa mais sensual que vivo nos últimos meses. Descrevo o momento em que escrevo, dois dias depois de virar o pé e cair após pisar em falso em um dos esburacados caminhos e calçadas. Pior é que tudo faz lembrar do governo, da política, do país: o país que tropeça diariamente.

Tropiquei. Ah, não estava com salto alto, que é impossível usar se for caminhar nas ruas, os coitados estão aposentados. Significativo que um aparente simples tropeço consiga fazer um estrago desses, capaz de me tirar do ar, atrapalhar, me parar. Quem me conhece sabe que isso não é comum, nem fácil. Dando graças, no entanto, por não ter sido algo pior, quebrando ossos, atingindo o tornozelo, e que me levou ao hospital para fazer Raio-X para ter certeza disso. Daqui há alguns dias melhorará, vou conseguir por o pé no chão, me firmar, talvez até dar uma corridinha. Mas quando a gente para, ora! - a cabeça continua a mil.

O país abalado, o Estado em guerra, a cidade abandonada em sua zeladoria entram em campo mostrando que, enfim, todos nós estamos vivendo tropeçando e caindo diariamente, inclusive mortos pela irresponsabilidade geral.

E os que se isentam de culpa? – piorando o que as instituições pouco se importam ou fiscalizam. Meu caso é daqueles, comuns: atravessava a rua bem na faixa de pedestres, mas o asfalto Frankenstein cheio de cicatrizes guardava uma elevação traiçoeira. O pé esquerdo virou, o equilíbrio se mandou e lá fui eu ao chão, batendo com força o braço e a mão direita no chão, o que me socorreu, e do que lembro agora dolorida até para batucar as “pretinhas” do computador. São mesmo negras as teclas do meu teclado, ressalto, antes que acusações racistas linguísticas me atinjam. Esquina de casa, porta de uma dos restaurantes mais chiques da badalada área onde o IPTU se inscreve entre os mais caros. No chão, lembro bem do comentário que ouvi: “Nossa, uma senhora caiu ontem aqui nesse mesmo lugar!”

E daí? Daí, nada. Nadica. Do jeito que estava, está, ficará, derrubará mais. Não há como não fazer um paralelo com a situação política. O que adianta tantos comentaristas, tantas notícias, análises, tantas revelações, reportagens, denúncias, médias móveis de casos e mortes na montanha russa dos gráficos? O tal presidente, os tais ignóbeis filhos do capitão, os tais ministros, os políticos em suas amadas reeleições até por falta de opções, a insana marcha da doença nas burras aglomerações que espalham a morte – tudo aí, assim como as esburacadas calçadas, passeios e meios-fios.

Um túnel da morte onde entramos sem ver a saída, correndo em círculos atrás de nossos próprios rabos. Acho lindo ver os proibidões, e as coisas acontecendo da mesma forma, já que, como meu pai diria, as autoridades falam, os burros zunem.

Para o que dão atenção? Para as informações falsas, mas propositadamente bem formuladas, pretensamente para dar cara de verdade, e que correm soltas nas veias abertas das redes sociais. Outro dia recebi um vídeo extenso. Seria uma médica americana. Passou uns dois minutos – e com tradução para o português, em legendas, primeiro enumerando títulos e entrevistas que já deu, e a partir daí desfiando bobagens contra a vacina, pregando – com cara de conteúdo - que elas nos inocularão internamente de forma que viraremos todos robôs controlados, que nossos passos serão vigiados, todas as nossas atividades, inclusive sexuais (já pensaram a suruba geral nas nuvens?). Confundindo RNA com DNA. Vou dizer mais: a mulherzinha falava que Bill Gates planejou tudo, num tal projeto 060606, e que ficaremos ligados de forma celular às criptomoedas. Sim, tudo isso, que até resumi, tal mal estar só em lembrar.

Claro que os dedos bolsominions são os que mais divulgam esse samba maluco nas suas teorias da conspiração. Já ouviram falar das 800 mil criancinhas mantidas presas no subsolo do Central Park, e das quais são sugadas forças para manter a juventude eterna? Tem quem creia realmente nisso e ainda ouse tentar nos convencer.

É mais que pedra no caminho, buraco, obstáculo, os tropeços diários dos quais não conseguimos nos livrar. Quando foi que deixamos que essa situação toda ocorresse, me pergunto. Essas mancadas, comportamentos obscuros e insensatos, ações impensadas, falas vergonhosas que nos levam ao buraco profundo. Não conseguirmos nem cair em si.

Quando é que eles vão cair? Precisaremos dar um empurrãozinho?

MARLI GONÇALVES – Jornalista, consultora de comunicação, editora do Chumbo Gordo, autora de Feminismo no Cotidiano - Bom para mulheres. E para homens também.

Marli Gonçalves é jornalista 

marligo@uol.com.br

marli@brickmann.com.br

Comentários
×