Três nomes prestes a oficializar pré-candidatura à Prefeitura

Convenções partidárias se aproximam e cenário político vai se definindo em Divinópolis

Matheus Augusto 

Com a proximidade do fim do prazo para os partidos definirem seus candidatos na disputa eleitoral de 2020, o grupo de interessados em assumir a Prefeitura de Divinópolis no próximo ano começa a crescer. Na manhã de hoje, ocorre o anúncio de mais uma pré-candidatura. E outra deve ser oficializada até o fim desta semana. Assim, pouco a pouco, a disputa eleitoral para a Prefeitura no fim deste ano vai se definindo.

As convenções partidárias – para definição dos candidatos dos partidos e a formação de coligações – devem ser realizadas, conforme previsto no calendário eleitoral atualizado, entre os dias 31 de agosto e 16 de setembro. Dadas as condições extraordinárias deste ano, o 1º turno das eleições ocorre em 15 de novembro.

Anúncio

O mais novo pré-candidato a prefeito é Will Bueno (PP), que anuncia seu nome para as eleições hoje, às 10h. Na oportunidade, ele realizará uma coletiva virtual, a fim de evitar aglomerações, para a imprensa. Às 10h30, um vídeo de apresentação será publicado em suas redes sociais.

— O trabalho e a propostas diferenciadas para Divinópolis serão informados em primeira mão na coletiva — comunicou, em nota, sem dar detalhes.

Ele, porém, ainda não definiu quem será seu vice, mas já avalia possíveis alianças.

— O leque de vices está pronto, mas qual deles será ainda precisamos de mais alguns dias antes de anunciarmos — informou. 

A expectativa é de definir a melhor opção até meados de agosto.

— Dentro da nossa chapa a gente já tem alguém com um perfil e total alinhamento com a gente, que pode ser um grande vice. Mas também conversamos com outros  partidos e, surpreendentemente, sentimos uma afinidade muito boa  — finalizou.

Parceria (quase) fechada

Companheiros de Câmara Federal, Fabiano Tolentino (CDN) e Jaime Martins (Pros) estão próximos de formar uma chapa para concorrer ao cargo máximo do Executivo. O Agora apurou que o acordo está em fase final de negociação, que inclui a definição de quem será o cabeça de chapa.

O atual prefeito, Galileu Machado (MDB), também já anunciou que vai tentar se reeleger, mas, até o momento, ainda não havia definido seu vice.

O atual deputado estadual Cleitinho Azevedo (CDN) provavelmente não vai se candidatar, mas seu irmão Gleidson Azevedo deve se juntar à vereadora Janete Aparecida (PSC) na concorrência pela Prefeitura. Outros nomes que se articulam, individualmente, são da empresária Iris Moreira e da médica Heloísa Cerri.

Novidade

Quem também faz parte dos interessados em assumir a próxima administração municipal é a presidente do Solidariedade, Laiz Soares. Ela informou ainda não ter definido seu vice, mas que já estuda nomes. 

O evento de lançamento para oficializar sua pré-candidatura deve acontecer neste sábado, 1º.

Já confirmados

Quase um mês antes da oficialização das candidaturas pelos partidos, Divinópolis já conta com algumas chapas formadas. A primeira é composta pelo empresário Fernando Malta (PSL) e o ex-vereador Sargento Elton (Patriota). 

Outra confirmação é a volta de Marquinho Clementino (Republicanos). Em 2016, ele concorreu ao cargo, mas ficou na segunda colocação, com 34.239 votos (31,54%) – Galileu teve 58.443 (53,84%). Seu vice é o médico Dr. Wagno Ribeiro (PDT).

Eleições 

Em Divinópolis, há duas zonas eleitorais (102ª e 103ª), com 510 seções, distribuídas em 77 locais de votação. Para este ano, informou a Justiça Eleitoral, 164.833 divinopolitanos estão aptos a votar. Apesar de não haver estatísticas atualizadas de 2020, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) relatou a existência de 22.588 títulos cancelados na cidade. Os motivos variam desde três eleições consecutivas sem votar e justificar até a morte do cidadão.

Diante da pandemia causada pelo coronavírus, informou a Justiça Eleitoral local, diversas medidas de  segurança estão sendo analisadas em instâncias superiores para proteger a saúde dos votantes.

— A Justiça Eleitoral está analisando e estudando uma série de medidas para garantir a preservação da segurança e saúde dos mesários, eleitores, servidores, bem como todos os envolvidos no dia do pleito — informou.

Medidas como a extensão do horário de votação, por exemplo, estão sendo avaliadas. 

— Uma delas, já divulgada pelo presidente do TSE, ministro Barroso, é a retirada da identificação biométrica no momento da votação. Além de agilizar o processo, evitando-se filas, diminui o risco de contágio. Portanto, as eleições 2020 não terão a identificação biométrica — explicou.

Por fim, a Justiça Eleitoral local também informou se organizar para garantir materiais de higienização durante o pleito.

— Serão fornecidos aos mesários EPIs [Equipamentos de Proteção Individual] e será disponibilizado também álcool gel para o dia do pleito em todos locais de votação — finalizou.

 

Comentários
×