Toneladas de maconha apreendidas na MG-050 são incineradas

Rafael Camargos

A Polícia Federal em Divinópolis incinerou as duas toneladas de maconha apreendidas na manhã de segunda-feira, 23, na cidade. Além da droga, as polícias Militar e Rodoviária apreenderam 40 pistolas, de uso restrito, e militar. Todo o material foi encontrado na MG-050, próximo ao povoado de Cacoco, e boa parte seria distribuída na cidade. Tanto o entorpecente, quanto o armamento estavam escondidos em uma carreta carregada de Farinha de Trigo, com placa de Céu Azul, no Paraná.
O motorista, o dono da droga e sua companheira foram presos e estão no presídio Floramar. De acordo com a PF, a droga veio do Paraguai, e por isso, os suspeitos irão responder pelo crime de tráfico internacional de drogas.

Segundo a PF, a queima ocorreu em uma siderúrgica, depois que a ordem judicial foi expedida.

Distribuição

O motorista Júlio César Pereira de Carvalho, 39 anos, recebeu a missão de transportar a droga de Foz do Iguaçu, no Paraná para a cidade. Ele chegou à região na noite de domingo, 22, dormiu na carreta que estava estacionada em um posto de combustíveis e, pela manhã, saiu do posto e foi até um sítio no povoado do Cacoco, onde a droga seria descarregada. Para fazer o serviço, ele iria receber a quantia de R$ 5 mil.

A Polícia Militar (PM) recebeu uma denúncia por volta das 8h30, informando de que a carreta carregada com a droga e as armas estaria estacionada atrás do Motel Muralhas, na rodovia MG-050.

Policiais foram até o endereço da denúncia e encontraram a carreta, com placa de Céu Azul, carregada de farinha de trigo estacionada. Uma segunda viatura que chegou ao local impediu a fuga de uma Palio Weekend, onde estavam Marquito Teixeira Porto, de 38 anos, e a companheira, Drielly Sthefani de Andrade, de 31.

Irregularidades
De acordo com o comandante do 23º Batalhão da Polícia Militar (BPM), tenente-coronel Marcelo Augusto dos Santos, foram constatadas diversas irregularidades e Júlio César de imediato confessou o crime.

— De pronto ele já disse que teria droga no veículo, e que estava vindo de Foz do Iguaçu. Falou ainda que recebeu R$ 5 mil para transportar a mercadoria. A carreta tinha uma carga de farinha de trigo e a droga e as armas se encontravam no interior — comentou o comandante.

As duas toneladas de maconha dariam para abastecer muitas cidades da região, mas parte do montante ficaria todo em Divinópolis, como explicou o tenente-coronel.

— A droga estava na casa do cidadão chamado de Marquito, ele já é conhecido no meio policial e acumula diversos antecedentes e já foi preso por receptação, tráfico de drogas e roubo — informou.  

Comentários
×