Tirando água da pedra

Bob Clementino

Li alhures que o Sindicato dos Trabalhadores Municipais de Divinópolis e Região Centro-Oeste (Sintram) impetrará mandado de segurança para garantir pagamento do 13º dos servidores municipais de Divinópolis até o dia 20 de dezembro, data limite para quitação do bônus conforme assegura a Constituição da República. É que a secretária municipal de Fazenda de Divinópolis, Suzana Xavier, deu declarações à imprensa se que a Prefeitura “fará um esforço” para pagar o 13º até 31 de janeiro do ano que vem. Aí eu pergunto: de que vai adiantar um mandato de segurança se os cofres da Prefeitura estão vazios?

Outras perguntas

- Prefeito Galileu Machado (MDB) não vai pagar o 13º salário dos servidores municipais porque é um político mau, ou porque não tem dinheiro no caixa?

- Se os cofres estão vazios, de onde o Sintram acha que o prefeito vai tirar dinheiro para pagar o 13º dos servidores? Da Educação, da Saúde ou de outras secretarias?

- Segundo um diretor do sindicato, “Há uma insatisfação generalizada entre os servidores, que pelo segundo ano consecutivo chegam a dezembro com os salários parcelados e o 13º atrasado”. E aí?

Estratégias que garantem sucesso

Já perguntei aqui na coluna por que a diretoria do Sintram não tem uma estratégia para não permitir que a Prefeitura atrase pagamentos de salários e 13º. Provas de que não tem é que há dois anos esta situação se repete. Escrevi também que seria interessante a diretoria do sindicato se aliar momentaneamente ao prefeito e exigir dos vereadores que aprovem a revisão da planta de valores do IPTU, que está há 25 anos defasada, ação que fortaleceria o caixa da Prefeitura.

Propus também ao Sintram que cobrasse do governo Pimentel (PT) e agora do governo Romeu Zema (Novo) as verbas a que a Prefeitura tem direito e que ambos reteram em seus cofres. Se estas verbas estaduais estão em dia, provavelmente não teria atrasos de salários. Mas a resposta que recebi é que “Não cabe a nenhum sindicato defender interesses patronais”. Respeito a estratégia do Sintram, mas cá para nós: se o governo tem o aumento do IPTU e as verbas retidas pelo governo estadual em mãos, o Natal e fim de ano dos servidores municipais seriam bem melhores. Feio na história é o prefeito Galileu

atrasar por dois anos salários e 13º, e o sindicato não conseguir

mudar esta história. É o que democraticamente penso!

Continuo duvidando

Hoje, às 13h, a secretária de Fazenda, Suzana Xavier, e o servidor municipal Bruno estarão na Câmara Municipal atendendo ao requerimento CM-401-2019, para que Bruno possa explicar sua declaração de que a culpa pela crise na Prefeitura em parte é dos edis que incham a Prefeitura com amigos em cargos comissionados. Já a secretária Suzana terá que explicar por que ouviu a declaração de Bruno sem questioná-la e ainda assinou a ata contendo a denúncia. Duvido que esta investigação vai seguir adiante e que finalmente vamos descobrir quais vereadores estão na gaiola do prefeito.

Sugestão à Suzana e ao Bruno

Este alerta de que declarações de alguns vereadores sugerem que há “troca-troca” entre o prefeito e alguns edis eu já fiz em minha coluna do dia 23 de março. Nela explico ao vereador Sargento Elton que uma das causas do aumento de servidores comissionados na Prefeitura se deve, em parte, a alguns edis, que exigem do prefeito cargos comissionados para seus amigos em troca de apoio dado a ele na Casa Legislativa. E citei as declarações dos vereadores Edsom Sousa (sem partido), Dr. Delano (MDB), Adair Otaviano (MDB) e do vereador e agora deputado Cleitinho Azevedo (CDN). Por isso, a sugestão a Suzana e Bruno: peçam para que estes vereadores citados também expliquem suas declarações que sugerem “toma lá da cá” com o prefeito.

Vamos seguir o exemplo?

Por respeito aos animais, avenida Paulista terá ano novo 2019/20 com fogos sem barulho. Rojões com estampido foram vetados. A decisão acontece em respeito à Lei Municipal 16.897/18, aprovada pela Câmara de São Paulo. Com isso, a festa da virada promoverá uma queima com arte, mas sem

barulho.

Comentários
×