Suspeito de sequestrar vereador é preso na BR-494 em Divinópolis

 

Rafael Camargos

O vereador Geraldo Nicássio Júnior (PSD), de 39 anos, viveu momentos de tensão na noite da última segunda-feira, 22, e madrugada de ontem em Oliveira. Ele foi abordado em frente a sua casa, no bairro Rosário, por um grupo de criminosos armados. Os criminosos roubaram os pertences e, em seguida, obrigaram o político a entrar na própria caminhonete e fugiram. Ele foi feito de refém por algumas horas e conseguiu fugir. A caminhonete foi encontrada uma hora depois às margens da BR-494. Apenas um dos suspeitos foi preso.

De acordo com a Polícia Militar (PM), imediatamente foi feito um cerco bloqueio nas rodovias, bem como os militares das cidades vizinhas foram informados sobre o ocorrido.

Nesse momento, os policiais que estavam no trevo de Carmo da Mata visualizaram a caminhonete L200 do vereador seguindo rumo ao trevo do Beira Rio, onde policiais de Cláudio já realizavam o cerco.

A caminhonete conduzida pelos suspeitos não passou pelo segundo cerco, por isso foi realizado um rastreamento pela zona rural conhecida como São Bento. Lá uma equipe de policiais encontrou o veículo da vítima abandonado em meio a uma plantação de eucaliptos.

Fuga da vítima

Ainda segundo a PM, após o fato, as atenções se voltaram para a vítima, que havia conseguido fugir das mãos dos criminosos. O vereador foi até uma casa e conseguiu falar com os familiares e dizer onde estava.

Circuito de segurança

Já na casa do parlamentar, os militares buscaram imagens de câmeras de segurança de locais próximos onde aconteceu o sequestro.

Uma câmera flagrou toda a ação e os militares conseguiram ver que os bandidos chegaram ao local em uma Parati, modelo antigo.

A informação foi repassada a todas as equipes da PM das cidades envolvidas nas buscas, que localizaram e abordaram na BR-494 em Divinópolis um dos suspeitos, que confessou o crime.

O homem foi encaminhado à Delegacia da Polícia Civil de Divinópolis. Os outros envolvidos na ação criminosa não foram localizados. O Agora tentou contato com a família do político, mas as ligações não foram atendidas.

 

Comentários
×