Supermercados mineiros têm crescimento de 4,22%

Jorge Guimarães

Um dos segmentos de grande importância para a estabilidade da economia atualmente é o de alimentos e bebidas, que tem grande peso quando se calcula a inflação do mês, sendo o ramo supermercadista o principal gerador de empregos diretos e indiretos no setor. Segundo levantamento da Associação Mineira de Supermercados (Amis), depois do crescimento de 4,22% em 2019, o segmento deve receber investimentos da ordem de R$ 700 milhões na abertura de 75 unidades ao longo de 2020, com estimativas de que as novas lojas gerem oito mil novos postos de trabalhos de forma direta.

Região

Com um crescimento de 3,06%, verificado ao fim de 2019, segundo pesquisa mensal da Amis, a região Centro-Oeste deve ganhar novos investimentos no decorrer do ano. Segundo apurou a reportagem, uma rede de atacarejo da cidade deve abrir mais uma unidade em Divinópolis, mais especificamente no local onde era a Siderúrgica São Cristovão.

Quem também enxerga com bons olhos todo o potencial da região é a diretoria de uma rede de supermercados de Belo Horizonte, que, ao longo de seus 23 anos, conta com 202 lojas próprias e vai ampliar sua rede com sua primeira unidade na vizinha Carmo do Cajuru, no Centro da cidade. Em Divinópolis, a rede possui três lojas.           

Minas

Outro resultado mais que comemorado pelos empresários do setor foi o da pesquisa mensal da Amis. Os números apontam o segmento supermercadista mineiro com crescimento real de 4,22% em 2019.  Desempenho este que fica acima das previsões da associação, que projetou, no início de 2019, avanço de 4%. Na comparação de dezembro sobre novembro, a elevação foi de 15,11%. Os resultados estão deflacionados pelo Índice de Preços ao Consumidor (IPCA), medido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

— As apostas iniciais para 2019 estavam em linha com as expectativas de crescimento dos supermercadistas consultados ao fim de 2018. Acreditava-se que, com um novo governo, uma nova trajetória de crescimento da economia brasileira poderia ser iniciada. Ainda que a economia de uma forma geral não tenha andado como esperado, o setor conseguiu se sobressair — analisou o presidente executivo da Amis, Antônio Claret Nametala.   

Fatores

Vários fatores contribuíram para o resultado, segundo a pesquisa, e, entre eles está a redução do desemprego, que caiu de 12,3% em 2018 para 11,9% em 2019, além das medidas de incentivo ao consumo, como a liberação do Fundo de Garantia de Tempo de Serviço (FGTS).

Regiões

Dentre as regiões de Minas, o maior crescimento ocorreu no Sul, com 16,03%, e o menor ficou com a Zona da Mata, com 13,95%.

Comentários
×