Sinvesd relata falta de mão de obra para confecções

Entidade revela que número de vagas em aberto passa de 300

Da Redação 

Uma pesquisa por amostragem realizada pelo Sindicato da Indústria do Vestuário de Divinópolis (Sinvesd), em janeiro deste ano, mostrou que o setor enfrenta uma escassez de mão de obra para atuar nas fábricas da cidade. O município abriga atualmente cerca de 300 empresas de confecção, a pesquisa abrangeu 4% delas e concluiu que as principais vagas disponíveis são para produção (PCP, costureira, cortador, estampador, arrematadeira e passadeira), estilo (estilista, modelista e pilotista) e administrativo e comercial (almoxarife, compras, auxiliar administrativo, marketing e vendas).

Vagas 

De acordo com o Sinvesd, somente nas empresas que participaram da pesquisa, o número de vagas em aberto passa de 300. 

— Conversamos com 12 empresas que, juntas, estão com falta de 306 trabalhadores diretos; concluímos que em todo o polo de Divinópolis, a defasagem é bem maior. São muitas oportunidades para quem está buscando uma recolocação no mercado. Lembrando que estão trabalhando seguindo as normas da Vigilância Sanitária, exigidas dentro do decreto da Prefeitura e da onda roxa. Os empresários do setor se adequaram, cada um à sua maneira, às novas normas — afirmou o presidente do sindicato, Vinícius Henrique de Souza. 

Caged

Dados do último levantamento do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), de novembro de 2020, informam que 2.108 pessoas foram admitidas durante o mês e 1.602 foram desligadas, em todos os setores; no acumulado do ano, 19.860 pessoas foram admitidas, enquanto 20.333 perderam o emprego, resultando em saldo negativo de 473. 

Para o presidente da Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg) Regional Centro-Oeste, Eduardo Soares, o cenário pode ser um reflexo dos desligamentos causados pelo desaquecimento do mercado em função da pandemia. 

— Num primeiro momento houve uma paralisação das atividades e fechamento do mercado, isso pode ter acarretado em demissões agora, mas, ainda no início de 2020, a indústria retomou a produção e não parou mais, por isso a defasagem de mão de obra — explicou. 

Currículos 

O sindicato avisa que os interessados devem cadastrar os currículos no site da entidade (www.sinvesd.com.br).

Novo site

O Sinvesd  modernizou o seu site, que agora conta com uma agência de empregos na qual qualquer pessoa pode cadastrar suas informações profissionais, anexar currículo e foto. O banco de talentos é ligado ao CPF e os candidatos a uma vaga de emprego podem manter seus currículos sempre atualizados de forma on-line. O novo site conta também com Balcão de Oportunidades, Shopping de Fornecedores e permite que os associados filtrem os perfis dos candidatos. Acesse www.sinvesd.com.br.

Foto/Divulgação

Confecções da cidade estão com falta de mão de obra

Comentários
×