Sintram reforça importância da vacinação dos coveiros

Sindicato cobrou vacinação em março e até agora nenhuma medida foi tomada pela Prefeitura de Divinópolis; Municípios têm autonomia para estabelecer grupos prioritários na vacinação

Da Redação

No dia 23 de março, a diretoria do Sindicato dos Trabalhadores Municipais de Divinópolis e Região Centro-Oeste (Sintram) encaminhou ofício ao secretário municipal de Saúde, Alan Rodrigo da Silva, solicitando que os coveiros do município fossem incluídos nos grupos prioritários de vacinação. O mesmo documento também foi enviado ao Secretário Municipal de Operações e Serviços Urbanos, Gustavo Mendes, e para a coordenadora do Cresst, Inara Tavares.

O pedido formulado pelo Sintram teve como base as inspeções feitas nos cemitérios, que registraram as precárias condições de trabalho da categoria, inclusive com a utilização de equipamentos de proteção individual inadequados para a função. O vice-presidente do Sindicato, Wellington Silva, e a diretora de formação sindical , Geise Silva, fizeram inspeções em vários cemitérios e confirmaram que os coveiros estavam expostos à contaminação por vários fatores.

— Depois de verificarmos essa situação, entendemos que medidas emergenciais eram necessárias e a principal delas seria a vacinação dos coveiros, que estão em exposição permanente ao contágio. Fizemos o pedido, mas até o presente momento nenhuma medida foi tomada — diz o vice-presidente Wellington Silva.

O vice-presidente falou também da preocupação dos profissionais em contrair o vírus, já que lidam diariamente com o risco de contaminação.

— Nossos colegas estão preocupados com essa situação e  nós, do sindicato, já cobramos, defendendo  que é fundamental a vacinação para eles e todos os demais servidores do Serviço do Luto. São profissionais essenciais, que estão na linha de frente, e merecem essa priorização pelo gestor municipal — declarou.

A presidente do Sintam, Luciana Santos, disse que o Secretário Municipal de Operações e Serviços Urbanos, Gustavo Mendes, em ligação ao sindicato comunicou que os coveiros seriam vacinados há 15 dias, mas até o momento nenhuma medida foi tomada, conforme apuração junto aos servidores.

— Recebemos uma ligação do secretário, mas até o momento nada foi feito neste sentido de garantir a imunização dos servidores. Mais uma vez destacamos a importância dessa priorização, a exemplo de outros municípios, que estão atentos as atividades de seus trabalhadores — declarou a presidente.

Autonomia

Estados e municípios têm autonomia para incluir grupos prioritários na imunização contra a Covid-19. Em São Paulo, os coveiros estão sendo imunizados desde o início desse mês em todo o Estado, por determinação do governador João Dória.

Em Paracatu, no Triângulo Mineiro, a prefeitura realizou a vacinação dos seis coveiros da cidade no último dia. "A demanda surgiu da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, diante da crise sanitária que afeta todo o mundo, e encaminhada à Secretaria Municipal de Administração, que atendeu de prontidão", informou a assessoria de imprensa da Prefeitura ao Portal do Sintram.

A assessoria disse ainda que "nesta primeira fase da vacinação, estão sendo contemplados grupos de risco e pessoas que estão na linha de frente no combate à Covid-19. Por estarem expostos ao novo Coronavírus, os coveiros receberam a primeira dose do imunizante. Hoje, em Paracatu, há três cemitérios municipalizados: Santa Cruz, o Alto da Colina e o Parque da Paz".

Várias outras cidades do país já vacinaram os coveiros, entre elas Campos (RJ), Jaboatão (PE), Betim (MG), São Carlos (SP), Itabira (MG), e Caruaru (PE).

Projeto

A Câmara dos Deputados já aprovou o texto-base de um projeto de lei que inclui mais dezesseis categorias como prioritárias na vacinação contra Covid-19, entre elas coveiros e garis. O projeto estabelece prioridade para 16 grupos dentro do plano de vacinação contra covid. O texto original inclui nos grupos prioritários os caminhoneiros autônomos e profissionais do transporte de cargas e mercadorias.

Já o texto-base também prioriza os trabalhadores de transporte coletivo rodoviário e metroviário de passageiros; as pessoas com doenças crônicas e que tiveram embolia pulmonar; e os agentes de segurança pública e privada, desde que estejam comprovadamente em atividade externa.

Após a apresentação de emendas em Plenário, foram incluídos ainda os profissionais de outras sete áreas, entre elas os trabalhadores da educação do ensino básico em exercício nos ambientes escolares, os coveiros, atendentes e agentes funerários; profissionais de farmácia; oficiais de Justiça; taxistas e profissionais de limpeza pública.

Aprovado na Câmara, o projeto agora está aguardando votação no Senado. Porém, a inclusão de grupos que não estão apontados como prioritários no Plano Nacional de Imunização, pode ser feita por prefeitos e governadores, motivo pelo qual vários municípios já incluíram os coveiros na imunização.

— Como vimos na reportagem, várias cidades entenderam a importância dos coveiros e a exposição excessiva dessa categoria ao risco de contágio. Em Divinópolis, faltou até agora entendimento dos riscos que os coveiros enfrentam diariamente, como também faltou boa vontade política para incluir a categoria nas campanhas de vacinação — finalizou Wellington Silva.

Comentários
×