Sindicato denuncia desmonte e aumento de salários de diretores na Cemig

 

Ana Laura Corrêa

Um dia depois do Dia do Trabalho, o Sindicato dos Eletricitários (Sindieletro-MG) veio a público denunciar a situação da Cemig.

— A sociedade mineira precisa estar a par do que está ocorrendo na Cemig. A cada dia a empresa deixa de lado o seu caráter público e se rende ao capital especulativo financeiro. Reajustes imorais para o cargos de alto escalão acontecem ao mesmo momento em que assistimos à venda de imóveis, ao sucateamento das redes de energias, ao fechamento do atendimento nas localidades e à terceirização desenfreada, entre outros problemas — explicou o diretor da secretaria de acordos coletivos do Sindieletro, Celso Primo.

De acordo com o diretor, a missão pública da companhia está desaparecendo e a Cemig está se tornando um balcão de negócios.

— O lucro fica com os acionistas, empreiteiras e para os grupos políticos de vários partidos. Para a população, resta o prejuízo — afirmou.

Salários

De acordo com o Sindieletro, a Assembleia Geral de Acionistas da Cemig aprovou, na última segunda-feira, 30, um aumento na remuneração para cargos do alto escalão. O salário do presidente da estatal passou de R$ 80 mil para R$ 85 mil; já dos diretores subiu de R$ 65 mil para R$ 67 mil. A remuneração dos conselheiros de administração, segundo o sindicato, que era de R$ 19.900 passou para R$ 25.500.

— Para o sindicato, esses percentuais elevados são uma contradição diante da realidade dos trabalhadores e consumidores, que sofrem com os efeitos dos sucessivos programas de desligamento voluntário, cortes de orçamentos para a área operacional e desativação de equipes — informou o Sindieletro.

Enquanto isso, trabalhadores de outros escalões não tiveram acesso aos mesmos benefícios, segundo a entidade.

— Em 2017, não tivemos participação nos lucros e resultados e, além disso, no nosso último acordo coletivo, não obtivemos nenhum benefício, somente a reposição do Índice Nacional de Preços ao Consumidor, que é obrigatório. O INPC desse período está dando menos de 2%, o que é irrisório diante do que está acontecendo no salário dos altos cargos— disse Celso.

Outro lado

Procurada pelo Agora, a Cemig informou que o salário dos diretores e os jetons dos conselheiros não foram reajustados, mas corrigidos pela inflação do período.

— A empresa ressalta, ainda, que essas remunerações são definidas pelo conselho de acionistas em assembleia geral e estão previstas no orçamento da empresa. Cabe acrescentar também que os salários e os jetons estão, na média, em valores inferiores aos adotados por empresas do porte da companhia — informou por meio de nota.

Concurso

Em abril, a Cemig realizou concurso público para preencher 98 vagas na companhia. Outro certame, para o preenchimento de 47 vagas, foi realizado no fim fevereiro deste ano. Ao mesmo tempo, de acordo com o sindicato, a companhia mantém programa de desligamento com previsão de saída de 400 trabalhadores.

— Houve uma redução de 2.058 postos de trabalho nos últimos dois anos. A companhia faz o plano de desligamento, mas não faz concurso para novas contratações — afirmou Celso.

Em nota, a Cemig informou que os empregados têm livre escolha para aderir ao programa de desligamento voluntário.

— O programa visa ao aumento da produtividade e redução dos custos, com ganhos para o consumidor. A Cemig garante, ainda, que o atendimento não sofrerá impacto e nenhum consumidor será penalizado — afirmou.

Bandeira Amarela

Neste mês, os consumidores sentirão um aumento nas contas de luz. A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) alterou a bandeira tarifária de verde para amarela (Leia mais sobre o assunto na página 7).

 

Comentários
×