Servidores municipais podem entrar em greve

Da Redação

O Sindicato dos Trabalhadores Municipais de Divinópolis e Região Centro-Oeste (Sintram) anunciou hoje o início do estado de greve, válido por um período de 120 dias. Ou seja, caso a insatisfação e as demandas dos servidores continuem a ser ignoradas, a organização pode optar pela paralisação. A decisão foi tomada durante a audiência pública realizada ontem.

— A situação é um alerta para a administração de Galileu Machado que a qualquer momento o funcionalismo poderá entrar em greve — informou o sindicato.

Parte da insatisfação do funcionalismo público se deve ao não reajuste salarial.

— O estado de greve, pelo período de 120 dias, demonstra a insatisfação dos servidores com a administração Galileu Machado, que vem priorizando as nomeações eleitoreiras do seu grupo político (cabides de emprego) e, até o momento, não sinalizou que cumprirá a Lei Municipal 8.083 (Lei do Gatilho), que determina a revisão inflacionária dos salários, de acordo com o índice de correção da inflação IPCA da Fundação IPEAD/UFMG, que neste ano determina 4.59% de recomposição nos salários a partir de março, data-base da categoria — explica o Sintram sobre a decisão.

Outras reivindicações da categoria são: a cobrança das perdas salariais de 2017, o ganho real e o aumento do vale-refeição. Sobre este último ponto, decidiu-se pela necessidade de buscar, junto ao Executivo, o aumento do vale de R$ 8 para R$ 15, com um novo reajuste marcado para o próximo ano. 

Pautas

Para a negociação com o Executivo, o Sintram espera conseguir uma compensação pelas perdas salariais que, segundo a entidade, vêm acontecendo desde 2016.

— Somando todas as perdas, já são 8,13% de achatamento nos salários dos trabalhadores o que impacta no poder de compra, já que alimentação, aluguel e tantas outras despesas, anualmente, são reajustados pelos prestadores de serviços e comércio, seguindo o índice inflacionário do período — explica.

A fim de entrar em acordo com o Município, o Sintram determinou a criação de uma comissão de negociação.

Maior participação

Outro ponto abordado durante a audiência foi a participação dos servidores nas reivindicações e encontros. Segundo o sindicato, três pontos sobre essa questão foram definidos.

— A promoção de um evento de conscientização para abordar o papel do servidor municipal na luta trabalhista, no Clube dos Servidores, em um final de semana; grupos de estudo para verificar as causas do afastamento da luta coletiva; definição de representantes dos trabalhadores em cada local de trabalho para que sejam porta-vozes facilitando assim a comunicação e deliberações coletivas de interesse da classe — destacou.

Comentários
×