Sem medo

Maria Cândida 

 


 

"Sim, há medo.
Sim, existe isolamento.
Sim, há compras de pânico.
Sim, há doença.
Sim, existe até a morte.

Mas,
Dizem que em Wuhan depois de tantos anos de barulho
Você pode ouvir os pássaros novamente.
Dizem que depois de apenas algumas semanas de silêncio
O céu não está mais cheio de fumaça
Mas azul e cinza e claro.

Dizem que nas ruas de Assis
As pessoas estão cantando umas para as outras através dos quarteirões vazios
Mantendo as janelas abertas
para que aqueles que estão sozinhos possam ouvir os sons das famílias ao seu redor.

Dizem que um hotel no oeste da Irlanda, Está oferecendo refeições gratuitas e entrega em domicílio.

Hoje uma jovem que eu conheço
está ocupada espalhando panfletos com o número dela pelo bairro Para que os idosos possam ter alguém para chamar.

Hoje Igrejas, Sinagogas, Mesquitas e Templos
estão se preparando para receber e abrigar os sem-teto, os doentes, os cansados...

Em todo o mundo, as pessoas estão desacelerando e refletindo.

Em todo o mundo, as pessoas estão olhando para seus vizinhos de uma nova maneira.

Em todo o mundo, as pessoas estão acordando para uma nova realidade.

Quão grande somos realmente.
Quão pouco controle realmente temos.
Para o que realmente importa.

Amar.

Então oremos e lembremos que
Sim, há medo.
Mas não precisa haver ódio.

Sim, existe isolamento.
Mas não precisa haver solidão.

Sim, há compras de pânico.
Mas não precisa haver maldade.

Sim, há doença.
Mas não tem que haver doença da alma.

Sim, existe até a morte.
Mas sempre pode haver um renascimento do amor.

Acorde com as escolhas que você faz sobre como viver agora.
Hoje respire.

Ouça, por trás dos ruídos que fabricam seu pânico:
Os pássaros estão cantando novamente

O céu está clareando,
A primavera está chegando,
E sempre somos envolvidos pelo amor.

Abra as janelas da sua alma
E embora você não possa tocar ninguém através das ruas vazias:
Cante."



Autor
~Pe. Richard Hendrick da Ordem Franciscana da Imaculada Conceição 


 

***Agradecemos  à querida amiga Celeste Ribeiro   o envio deste mimo de poema do Pe. Hendrick,  na certeza de que o nosso leitor participa do  agradecimento.

Comentários
×