Sejam bem-vindos , chargistas!

Maria Cândida 

Para mim, é sinal de alerta ver revistas e jornais fazerem  guerra  a chargistas  e  produtores em geral  de humor, crítica e assemelhados. 

Para mim, humor e poesia suplantam quaisquer  expressões  que desejam  comunicar  . Sinal de alerta e preocupante  é ver  órgãos de comunicação ultimamente sido barrados  e mutilados  quando   tocam  em valores  até então intocados.

Chargistas como Aroeira , Noblat , Laerte ,  Carvall,  Benett  e tantos outros  da Folha de S. Paulo, Veja,  Carta Capital  e outros  mais  até   da  “noblesse oblige” Piauí  e  outras mais  que  estão  sendo  vigiados  e mutiladas  e atacadas  em  seu  núcleo   porque  fazem  crítica   à violência policial  e sobre tudo  aos excessos  do presidente  Jair Bolsonaro (sem partido)  e  familiares.

A charge,  um desenho de humor   com cartum, caricatura, e assemelhados, faz  uma comunicação inteligente  e contundente  quando bem  feita   substituindo  ou enriquecendo  o escolhido   que  às vezes  se  sentem   quase homenageados.  Caruso, Angeli  e  Laerte,  dentre outros  grandes  marcam  seu  lugar  de honra , grandes  que   foram  e  são .  Belmonte, cartunista  avô da  geração  que marcou,  criador do  Juca Pato,   foi  atingido pelo  Getúlio  Vargas ,  Hitler e assemelhados  poderosos  que não   deixavam  em  paz os cartunistas e artistas   na sua rica produção. 

Tenho em casa números  do  Pif-Paf,  do  Pasquim , e mesmo  da  Alterosa e outros.  Oh riqueza!  Ó saudade! Oh  Millôr  Fernandes,  E agora,  bolsonaristas  querendo  abater  o  Humor  de nossas  páginas...

Isto, sem falar na poesia e artistas outros da  categoria,  que também  tremem  na febre  do  adeus .  Aí  já é demais, vez que  humor e  Poesia   têm  sido  nosso alento  nestes tempos   bicudos  que  ameaçam  a  humanidade.  Armas  em  punho, colegas!  Poesia e Humor, verdade e  beleza  intocáveis  e eternas.   Salve, salve!

 

                                   NOTA DE FALECIMENTO

 

 ***Faleceu o jovem Júlio Gontijo de Faria, filho de Petrônio Eduardo de Faria e Dalila Ferreira Gontijo. Júlio é neto de Anísia Ferreira da Silva  e de  Francisco Gontijo de Azevedo que muito participou  de Divinópolis  no seu  nascedouro e desenvolvimento.

Ao Júlio e família, nossos sentimentos .

 

Coment√°rios
×