Segurança do Hospital Regional deve ser mantida

Líder do governo na Câmara lamentou demora da secretaria em tomar atitude sobre o tema

Matheus Augusto

Após informar ao Agora que não tinha perspectiva para realizar o pagamento da empresa Tutore, responsável pela segurança do Hospital Regional em Divinópolis, a Prefeitura voltou atrás em seu posicionamento. A denúncia de uma possível quebra de contrato com a prestadora do serviço, feita pelo vereador Roger Viegas (Pros) em seu pronunciamento na Câmara na última terça-feira, 29, gerou resultados e o Executivo buscará uma solução para a situação, como o parlamentar explicou ontem.

— O resultado é que a Prefeitura nos ouviu, quando falamos na tribuna na última terça-feira e apresentamos essa denúncia de que a empresa poderia abandonar a segurança do hospital regional por atrasos nos repasses a qualquer momento. (...) Cobrança feita e, até então, parece que vamos resolver e avançar. Pelo menos não devemos ter o abandono da segurança no hospital público regional — ressaltou Roger.

O vereador ainda voltou a ressaltar a importância de proteger o patrimônio, visto que o hospital já abriga cerca de R$ 2 milhões em equipamentos.

Na última reunião, denunciamos a falta de pagamento à empresa Tutore, que tem sede em Belo Horizonte e cuida da segurança das obras do Hospital Público Regional Divino Espírito Santo, que, como todos sabem, estão paralisadas. E hoje existe ali um maquinário, fora a estrutura física, que já está praticamente pronta, a ponto de, para começar a funcionar, só faltam os equipamentos e últimos acabamentos, retoques finais, que Divinópolis e outros 54 municípios esperam esse recurso do governo chegar — explicou.

Em nota, Roger comunicou que a expectativa é que a situação seja normalizada em breve.

— (...) os responsáveis pelo pagamento entraram em contato com a empresa, afirmando que será regularizado. Com isso, os funcionários continuarão trabalhando, sem prejuízos aos empregos, e a obra continuará sendo protegida — pontuou.

Decepção

Líder do Governo na Câmara, o vereador Eduardo Print Jr. (SD) elogiou a denúncia feita por Roger, mas lamentou a demora da Secretaria Municipal de Fazenda (Semfaz) em tomar uma atitude.

— É uma pena ter que chegar a esse ponto, de você ter que gritar aqui na tribuna que não estão fazendo o pagamento dos seguranças que cuidam de todo o patrimônio do Hospital Público Regional aqui em Divinópolis. E é uma pena maior ainda a secretaria de finanças, neste caso representada pela Suzana [Xavier], ter que esperar o grito sair daqui, sair da sua boca, vereador, para tomar uma atitude e dar um parecer, uma resposta — destacou.

Print ainda explicou que representante da Tutore, quando entravam em contato com a Prefeitura, não recebiam nenhuma previsão de quando o problema seria solucionado.

— Por diversas vezes essa empresa tentou falar com a secretária de finanças do município, da qual a resposta foi única: não tem previsão. Mas, engraçado, o Roger usou a tribuna, falou do problema, e agora já tem previsão. (...) É uma pena que o Município só venha a se ater dos problemas depois que a Câmara os torna públicos — destacou.

Eduardo Print ainda afirmou que o problema precisa ser solucionado, visto que, assim como a Prefeitura já havia confirmado ao Agora, caso o contrato seja rompido, o Município não tem condições de oferecer segurança ao hospital regional.

— Até que se faça uma nova licitação, quem vai cuidar do hospital público? Quem vai ficar lá fazendo a vigilância armada? Nós não temos hoje material humano para assumir esse compromisso — disse.

Contexto

Durante a denúncia, na última terça-feira, o vereador Roger Viegas leu um e-mail da empresa encaminhado para a Prefeitura. Na mensagem, a empresa alerta que, após 15 de novembro, quando completará 90 dias sem recebimento pelo serviço de segurança, seria exercido o direito de romper o contrato. Além disso, a Tutore alerta que, com a saída dos vigias, em três dias, o local poderia começar a ser depredado e invadido.

Como a Prefeitura já havia informado ao Agora, a empresa deve receber pelo serviço R$ 36.509,47 mensalmente. Além disso, a Administração informou que estava em débito com a prestadora há 49 dias.

Obras

O vereador Eduardo Print ainda disse que o governador Romeu Zema (Novo) deve visitar a cidade nos próximos dias e cobrou que Divinópolis mostre força política para que Zema tenha a conclusão das obras do hospital regional como uma das prioridades do governo. Sua fala também recebeu coro de Roger.

Comentários
×