Segunda-feira para ser esquecida

A torcida do Cruzeiro viveu uma noite de terror na última segunda-feira, 18, acompanhando a apresentação do time estrelado contra o rebaixado Avaí, que, até então, era o saco de pancadas na Série A do Campeonato Brasileiro, perdendo para todo mundo. A Raposa fez, se não a pior, uma de suas piores partidas dos últimos tempos. 

Ninguém se salvou 

Do goleiro Fábio aos atletas que entraram no decorrer da partida, ninguém se salvou. Todos jogaram abaixo do que podem e devem render. O resultado assustou ainda mais a China Azul, que vê, a cada dia, aumentar os riscos de o time cair pela primeira vez para a Série B. 

Sabor de vitória 

Os catarinenses não estavam nem aí para o drama da torcida azul. Chegaram ao Mineirão e se sentiram em casa, mais pelo que o time celeste não fez em campo do que por seus próprios méritos. Fecharam-se lá atrás, seguraram o empate sem gols e depois vibraram como se tivessem sido campeões nacionais, e não sacramentado o seu rebaixamento para a Segunda Divisão. 

Há esperança? 

Se olharmos apenas pelo futebol do Cruzeiro, a coisa está feia para o lado azul das Minas Gerais, mas a salvação e esperança de sua torcida é que, no Campeonato Brasileiro, tem muito time pior, e o torcedor ainda pode ver uma luz no fim do túnel. Mas tudo pela ruindade dos adversários do que por seus próprios méritos, porque, se fosse apenas pelo futebol do time estrelado, seria um desastre, e só um milagre para salvar a Raposa. 

Salvação 

Muitos insistem em falar em 45 pontos para se salvar, mas, pelo que os times não estão fazendo em campo, a marca de corte neste campeonato será menor. E ninguém se espante se uma equipe se garantir na divisão principal com 42 pontos ou até menos. Mas o que não pode acontecer para o Cruzeiro é seus jogadores colocarem isto na cabeça. Para eles, a meta tem que ser as três vitórias e os 45 pontos. Se não forem capazes disto, aí sim que contem com a sorte.

Um quarentão na zaga

 

Com 40 anos e ídolo da massa alvinegra, o capitão Leonardo Silva ainda não definiu seu futuro. Com contrato até o fim do ano, o zagueiro ainda sonha em prolongar por mais alguns meses sua permanência no elenco do Galo. 

Sucesso 

Ídolo da massa, o zagueiro atribui seu sucesso à maturidade adquirida ao longo da carreira, e garante que chegou aos 40 jogando porque se planejou para isso bem antes, aos 26, 27 anos: “Quero chegar aos 40, quero estender minha carreira, não quero parar aos 32 anos, parar aos 35 anos”. 

Exemplo 

Se for pelo futebol que o zagueiro tem mostrado em alguns jogos, a diretoria alvinegra dificilmente o manterá no elenco, mas acontece que Leonardo Silva é um atleta que serve de exemplo aos demais, e isto pode contar na hora de renovar ou não seu contrato. 

Nada a comemorar na vitória 

Tudo bem que o Brasil tenha vencido a seleção da Coreia do Sul por 3 a 0, mas e daí? Não fez mais que sua obrigação em levar a melhor contra uma equipe que perderia para times da terceira divisão do futebol brasileiro. 

Piada 

Parece até piada quando alguém comemora uma vitória contra um time deste, depois de seguidos insucessos. E tem mais, nas últimas partidas apenas a derrota para a Argentina, e isto pela força dos hermanos, tem alguma desculpa. Os outros resultados são para serem cobrados, sim. E o tal de Tite tem que se explicar pelo que o Brasil não anda jogando. 

E tem mais 

Os homens que comandam a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) têm que acordar para a realidade enquanto ainda há tempo. Este tal de Tite tem é que levar um pé na bunda, porque para dirigir a seleção canarinho já não dá mais. Seus puxa-sacos poderiam até dar uma ajudinha aos dirigentes, levando-o para o tal de “Curintia”. Lá, sim, é o lugar dele, vai ter gente para bajulá-lo o tempo todo.

No comando da seleção nacional é que não dá mais para ficar...

Comentários
×