Segunda farmácia é invadida e furtada

Da Redação

A Farmácia Central, conhecida também como Farmacinha, amanheceu sem parte de seus medicamentos. O motivo? Um furto durante o fim de semana. O local, na rua São Paulo, no antigo Restaurante Popular, teve suas atividades interrompidas durante o dia de ontem, porém volta a funcionar normalmente hoje.

Danos

Além da Prefeitura, os remédios de distribuição do Estado foram comprometidos, conforme informou a Prefeitura.

— Os bandidos levaram medicamentos de uso controlado, fornecidos pela Prefeitura de Divinópolis e também pela farmácia do Estado, que agora funciona no mesmo espaço — explicou em nota.

Segundo o Executivo, apenas medicamentos foram roubados. Sobre o prejuízo e o número de materiais levados, a Administração disse ainda estar fazendo o balanço e não divulgou nenhuma estimativa.

Proteção

Diante do furto, a Prefeitura comunicou também estar estudando a implantação de novas medidas de segurança.

— Técnicos da Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) contabilizam o que foi levado pelos ladrões — informou.

Centralização

O roubo acontece quase duas semanas após Prefeitura e Superintendência Regional de Saúde (SRS) centralizarem a distribuição de medicamentos na Farmácia Central. Desde o dia 6 deste mês, os remédios do componente especializado da Assistência Farmacêutica, anteriormente retirados na sede da SRS, no bairro Santa Clara, passaram a ser disponibilizados na Farmacinha.

Com a mudança, a unidade estima receber cerca de 2.200 novos cidadãos por mês. Ou seja, a média de 720 atendimentos diários passou para 790. A ação visa readequar a estrutura de Saúde da cidade com as exigências federais.

— A mudança é positiva, pois adéqua o Município à legislação federal e consolida a parceria entre Estado e Município — informou a Prefeitura na época.

A transferência do local também visa melhorar a acessibilidade dos pacientes aos medicamentos, agora todos em uma mesma localidade, no Centro da cidade.

Segundo crime

Essa é a segunda vez em cerca de dois meses que criminosos prejudicam o atendimento na área da Saúde. O primeiro caso ocorreu em 2 de dezembro do ano passado, no Centro de Saúde Niterói. Na oportunidade, além de roubarem sete CPUs, os suspeitos desligaram as duas câmaras frias onde as vacinas eram armazenadas. Com isso, 419 doses de imunizações foram perdidas e as aplicações das vacinas foram suspensas na unidade.

Comentários
×