Secretário de Saúde afirma que mortes por síndromes respiratórias foram checadas; óbitos chegam a 1.435

Da Redação

Reportagens publicadas em diversos veículos de comunicação em Minas e em outros estados do País, sugeriram que centenas de pessoas que morreram por síndromes respiratórias poderiam ter se contaminado pelo coronavírus, o que foi descartado pelo secretário de Saúde de Minas Gerais, Carlos Eduardo Amaral. Ele  declarou na manhã desta sexta-feira, 12, em entrevista a Rádio Itatiaia, que todos os dados sobre mortes por síndrome respiratória no Estado passaram por checagem e não corre o risco de algum óbito ter sido diagnosticado de forma errônea.

— Todos os óbitos constatados por síndrome respiratório nós testamos no Estado para realmente saber se é síndrome respiratório ou convid-19. Todas essas mortes nós confirmamos. Temos 100% de confirmação. Nós já orientamos no hospital e ainda checamos quando chega no Estado — disse ao apresentador Eduardo Costa.

A resposta foi dada ao questionamento de que o Estado de Minas Gerais apresenta um baixo número de mortos pelo novo coronavírus em relação a outros Estados do Sudeste do país enquanto há um aumento no registro de mortes por síndrome respiratória em Minas, quando ao ano passado.

Números

De acordo com o balanço divulgado nesta sexta-feira pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG), Minas chega a 446 mortes por covid-19 e tem  20.106 casos confirmados da doença. 

Já em relação a sindrome respiratória, o Estado contabilizou até o dia 16 de maio deste ano, 1.435 mortes pela doença.  Em 2019, no mesmo período, foi de 185.

Comentários
×