Secretaria recolhe quase mil quilos de lixo em uma semana

Da Redação

500 quilos. Esse é a quantidade de lixo recolhido pela Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) ontem, em apenas uma residência no bairro Afonso Pena. Além disso, os agentes localizaram outros 190 quilos de material reciclável. Os itens poderiam servir como possíveis criadouros do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika e chikungunya.

Divinópolis registrou, apenas neste ano, 4.111 casos confirmados de dengue, sendo três mortes.

Denúncias

Conforme informou a secretaria, a ação foi executada com a autorização da Justiça.

— A Semusa continua realizando ações do plano de contingência contra a dengue. Os agentes de saúde, com um mandado judicial, retiraram lixo de uma residência, nesta quarta, 11, no bairro Afonso Pena. Em sete dias, já foram realizadas três ações em casas com objetivo de eliminar os possíveis focos de dengue — declarou.

A pasta ainda informou que o local foi identificado após denúncias de moradores.

Segundo o coordenador de Vigilância Ambiental, Erson Ribeiro, as equipes de limpeza têm enfrentado dificuldades para fazer esse trabalho.

— Hoje, quando nossa equipe chegou para realizar a limpeza, nós enfrentamos resistência por parte da moradora, que não queria permitir a entrada na casa, mesmo com o mandado judicial em mãos. Ações como essas dificultam nosso trabalho. Neste caso foi necessário conduzir a moradora até a delegacia de polícia para que fosse possível fazer a limpeza — contou.

A Prefeitura comunicou que, hoje, uma ação similar acontece no bairro Jardim das Oliveiras.

Participação

E a ação não é inédita. Durante o ano, a Prefeitura tem realizado a visita em imóveis abandonados ou onde o proprietário não autoriza a entrada dos agentes. A Vigilância em Saúde, na última sexta-feira, vistoriou uma casa no bairro Ipiranga, após receber uma denúncia pelo aplicativo AppDivinópolis. Conforme informou a pasta, o morador do local fazia o trabalho de reciclagem, mas morreu há cerca de dois meses.

Com isso, o setor entrou em contato com um dos herdeiros do imóvel, que autorizou a limpeza e retirada dos materiais. Os agentes recolheram cerca de 600 quilos de lixo.

— Conseguimos contato com um dos herdeiros dono do imóvel e o conscientizamos da necessidade desta limpeza para não acumular água parada — destacou, na época, Erson Ribeiro.

Aplicativo

Por meio do AppDivinópolis, os cidadãos podem solicitar a limpeza de um imóvel negligenciado pelo proprietário.

— A Prefeitura de Divinópolis implantou o serviço de denúncias de lotes e casas com acúmulo de lixo no AppDivinópolis no início de novembro. É possível realizar denúncias quanto à fiscalização de lotes vagos e casas na cidade, no que se refere à falta de limpeza e descarte incorreto de resíduos, ou seja, espaços sujos ou sem capina — explicou o Executivo.

O órgão informou que, uma vez recebida a denúncia, o setor responsável vai até o local averiguar a situação e tomar as devidas providências. Além disso, o denunciante será informado com uma notificação sobre os procedimentos tomados.

— Para ter acesso à nova funcionalidade, é necessário abrir um chamado na plataforma e preencher os dados conforme solicitado. É possível, por exemplo, inserir uma foto para comprovar o descaso dos proprietários — esclareceu.

Natal

Como anunciado no último dia 5, a Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) deu início, na terça-feira, 10, à campanha “Natal sem Dengue”. A ação, parte do plano de contingência contra a doença na cidade, consiste em um carro com decorações natalinas, com o intuito de alertar a população sobre o perigo do mosquito Aedes aegypti, também transmissor da zika e chikungunya.

Conforme informou a secretaria, o carro vai percorrer as ruas de Divinópolis, com a presença de um Papai Noel, para conscientizar os cidadãos.

— É um carro do Papai Noel para chamar a atenção e nós vamos aos locais de maior concentração nessa época de compras, ou seja, os shoppings, as praças, para que eles façam a panfletagem e as orientações necessárias contra a dengue — comentou.

Além disso, a secretaria confirma que a situação registrada neste ano é preocupante e, por isso, é preciso intensificar as ações para o cenário não se repetir em 2020.

— Desde 2016 a gente não tinha um índice tão grande de notificação de casos confirmados de dengue. Então, queremos fazer essa concentração de ações e chamar mesmo a atenção da população — afirmou a pasta.

 

Comentários
×