Secretaria de Saúde avalia proposta para retorno do futebol

Viabilidade será estudada pelas autoridades sanitárias que, no momento, reiteram importância de maior controle e cuidado com a pandemia

Da Agência Minas

Na coletiva virtual desta quarta-feira, 17, a Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) informou que vai analisar uma proposta da Federação Mineira de Futebol (FMF) para eventual retorno das competições do esporte. O secretário Carlos Eduardo Amaral disse que a SES-MG já recebeu os protocolos propostos pela instituição desportiva, em reunião realizada com o presidente da FMF, Adriano Aro, médicos dos clubes América, Atlético e Cruzeiro, além do diretor de competições da federação Leonardo Barbosa e o deputado estadual Zé Guilherme.

— A Secretaria de Estado de Saúde vai avaliar essa proposta e trazer a nossa manifestação quanto à viabilidade e a forma de retorno dessa competição. Lembramos que o Estado não quer atrapalhar a vida de ninguém, pelo contrário”, disse Amaral, ressaltando a expectativa de que a sociedade tenha uma vida o mais qualificada possível. “Mas também é fundamental que, nesse momento, nós tenhamos um cuidado muito grande com a epidemia — declarou. 

Outro destaque feito pelo secretário é a promoção de contatos com municípios e prestadores de serviços hospitalares para efetuar a distribuição dos ventiladores pulmonares que já chegaram a Minas Gerais. “Estamos conferindo se já há condição operacional para receber esses respiradores. Nesse sentido, eu pediria que os prefeitos e os prestadores que receberem um contato da Secretaria de Saúde nos respondam o mais rápido possível, para que possamos distribuir esses respiradores com a maior celeridade”, pontuou. 

Questionado sobre o estágio da epidemia na macrorregião Noroeste, que teve um aumento dos casos nos últimos dias e também elevação dos índices de ocupação dos leitos, Amaral sinalizou que, primeiro, é preciso entender que não adianta falar em leitos, se não houver isolamento adequado.

— Não há leito que aguente uma explosão de casos de coronavírus. Peço efetivamente que todos os gestores fiquem atentos, pois quando nós sinalizamos no Minas Consciente um retorno à área verde, isso demonstra claramente que houve uma piora da situação em alguma região, ou que aquela região ainda não tem a segurança necessária para nós progredirmos — explicou. 

O gestor também falou a respeito da política do Governo do Estado de expansão de leitos, e do atual objetivo de dar mais autonomia na assistência à saúde nos municípios do interior. Além disso, Amaral enfatizou que a SES-MG vem trabalhando para superar algumas dificuldades, como na aquisição de medicamentos.

— Estamos tentando todos os meios para que consigamos comprar medicamentos e que possamos repor sedativos e relaxantes musculares para esses prestadores — afirmou.

Sala de Situação

O secretário Carlos Amaral explicou os objetivos da sala de situação na qual funciona o Centro de Operações de Emergência de Saúde (Coes), instalada em janeiro de 2020, e que tem o objetivo de sistematizar as informações sobre o novo coronavírus dentro da SES-MG.

— Nós reunimos vários conhecimentos, várias áreas da secretaria, e também de outros órgãos do Estado, para que ali nós tenhamos concentração de informações, de forma que tenhamos uma coordenação com a consolidação desses dados, que seja feita uma avaliação que gere subsídios para nossa tomada de decisão — disse.

E ainda complementou:

— Para terem uma ideia, temos médicos, enfermeiros, demógrafos, engenheiros, programadores de computação, economistas, especialistas em ciências militares e gestão de catástrofes, administradores públicos, epidemiologistas, biólogos, farmacêuticos entre outros. Um grupo muito grande para consolidar esses dados e emitir notas técnicas com orientações, com subsídios, para que nós possamos ter o máximo de informação na tomada de decisão — completou.

Minas Consciente

O secretário adjunto da SES-MG, Marcelo Cabral, falou sobre a autonomia dos municípios para aderir ao Minas Consciente e que não há, no escopo do plano estadual, penalidades a serem impostas a municípios em eventual desconformidade com as diretrizes da política pública.

— Importante destacar que os esforços têm que ser contínuos por parte dos municípios, porque nós precisamos ter a atenção adequada, no que se refere à disponibilização de leitos e de respiradores pelo Estado, mas que precisam, em paralelo, da observação de protocolos pelos municípios”, observou. “Como nós temos adotado até agora um diálogo constante em reuniões com prefeitos e secretários, não há estabelecimento de pena para esses municípios porque até fugiria do propósito de diálogo que foi estabelecido até agora — acrescentou.

Novos leitos

A coletiva da SES-MG foi realizada na sequência de um comunicado à imprensa do governador Romeu Zema. Na sequência, também foram anunciados 23 novos leitos de UTI no Hospital Júlia Kubitschek, da Rede Fhemig, em BH.

Comentários
×