Saúde de Divinópolis descarta suspeita de H1N1 em bebê

Ricardo Welbert

Deu negativo para síndrome respiratória grave o resultado do exame feito em amostras de sangue da criança de um ano que havia sido internada com suspeita de crise respiratória grave. A informação é Secretaria de Saúde de Divinópolis ao Agora. O órgão acrescenta que o bebê já recebeu alta.

De acordo com o balanço divulgado pela pasta na segunda-feira, 14, o grupo com menor índice de vacinação é o de crianças, atingindo apenas 38,19%.

A população-alvo é composta por pessoas acima de 60 anos, crianças de seis meses até cinco anos, gestantes, puérperas até 45 dias após o parto, trabalhadores do segmento de saúde, grupos portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais e professores.

— É importante ressaltar que as vacinas estão disponíveis para os grupos prioritários e precisamos atingir, no mínimo, 90% da população — alerta a coordenadora de imunização, Marcela Machado Santos.

Ao Agora, a Secretaria de Estado de Saúde (SES) informou que ainda não constam casos em Divinópolis de síndrome respiratória aguda grave, causada pelo influenza. A secretaria ressaltou que não trabalha com casos suspeitos. Apenas com confirmados. 

Proteção 

A vacinação contra a influenza tem como principal objetivo reduzir a mortalidade, as complicações e as internações decorrentes das infecções pelo vírus da influenza na população-alvo para vacinação.

Conforme informou a Prefeitura, ao todo 52,8 mil pessoas estão no grupo prioritário no município e a meta é vacinar 90% desse total.

As salas de vacina nas unidades de saúde da família funcionam das 8h às 16h30. Nas unidades de saúde, das 8h às 17 horas.

Comentários
×