Samu realiza 908 atendimentos em um mês

 

Matheus Augusto

O número de atendimentos feitos pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) cresceu. Em Divinópolis, foram 908 resgates apenas no mês de julho, uma média de 30 solicitações por dia. Nesse período, o serviço registrou o maior número de ocorrências respondidas desde o início de seu funcionamento na região Oeste, no dia 7 de junho de 2017.

Conforme informou o Samu, as principais ocorrências em Divinópolis são as mesmas da região: causas clínicas, como dores, desconfortos respiratórios, desmaios etc. Das 908 chamadas, 671 foram justamente por causas clínicas. Outras 165, por causas traumáticas, 31 por motivos psiquiátricos, 22 por razões obstétricas e 19 por justificativas pediátricas.

Números

O Samu informou que o aumento no número de atendimentos vem sendo registrado desde o segundo mês deste ano. Apenas em julho foram quase 20 mil chamadas recebidas.

— Dados do relatório de atendimentos destes sete meses de 2019 mostram um aumento desde fevereiro. Em julho, mês com maior número de atendimentos neste ano, foram 19.730 ligações de toda a região, que resultaram em 5.307 atendimentos, sendo 4.854 pré-hospitalares e 453 transferências — relatou.

O Consórcio Intermunicipal de Saúde do Gerenciamento dos Serviços da Região Ampliada Oeste para os Serviços de Urgência e Emergência (CIS-URG), responsável pelo Samu, destacou também que o aumento no número de atendimentos está relacionado à confiança da população no serviço.

— O CIS-URG fica feliz com essa constatação e entende este crescimento no número de atendimentos como um sinal de confiança da população da Região Ampliada Oeste neste trabalho desenvolvido com muita dedicação pelos profissionais que se empenham em oferecer cada vez mais um serviço de qualidade — explicou.

Ainda de acordo com o Samu, as paradas cardiorrespiratórias foram as ocorrências mais atendidas.

— As Paradas Cardiorrespiratórias (PCR’s) revertidas e partos com atuação das equipes estão no topo da lista das ocorrências consideradas incomuns do mês e também desde a inauguração. Foram sete reversões de PCR´s e quatro partos — informou.

Governo e atrasos

Um dos problemas que tem impactado o funcionamento de diversos setores em Minas Gerais diz respeito aos atrasos nos repasses estaduais. Segundo informou o consórcio, quatro meses ainda não foram pagos pelo Governo do Estado, somando um montante superior a R$ 8 milhões. O CIS-URG, no entanto, informou que a dívida está sendo quitada de forma regular em pequenas parcelas, conforme explicou o secretário executivo do CIS-URG, José Marcio Zanardi.

— O Governo Zema (Novo) tem feito repasses de forma regular, não atrasando pelo menos aquilo que é compromisso de pagar todo mês. Eles começaram a pagar também o que estava atrasado desde agosto. Desde janeiro os repasses estão regulares, o que tem ajudado a manter o serviço — afirmou Zanardi.

Mesmo com tais atrasos, o consórcio garante que, até o momento, todas as operações continuam funcionando.

— Embora os serviços estejam sendo mantidos com um pouco de dificuldade, uma gestão enxuta ajuda a ter a situação sob controle, com a manutenção dos veículos em dia, assim como não há pagamentos atrasados a fornecedores, colaboradores — informou.

Segundo José Marcio Zanardi, os recursos atuais têm sido suficientes para lidar com a demanda de atendimentos, mesmo com o aumento de solicitações de resgate.

— As nossas ambulâncias rodam muito e precisam de manutenção permanente. Com a perda de uma unidade recentemente, em um acidente, foi preciso comprar outra para não prejudicar as que ficam de reserva para os serviços.  Mas são suficientes e atuamos também em parceria com o Corpo de Bombeiros. Quando todas as nossas unidades estão empenhadas, o Corpo de Bombeiros nos dá apoio nos atendimentos — explica o secretário.

Quando chamar?

Uma dúvida que algumas pessoas têm é sobre a abrangência de atendimento do Samu. José Marcio Zanardi esclarece que o serviço deve ser acionado sempre em situações consideradas graves.

— A sigla Samu significa Serviço de Atendimento Móvel de Urgência, deve ser acionado através do número 192, em situações de urgência ou emergência como dores no peito de aparecimento súbito, situações de intoxicação e envenenamento, queimaduras graves, trabalhos de parto, queda acidental, crises convulsivas, ferimentos, acidentes de trânsito com vítimas, sangramentos. A ligação é gratuita e o serviço funciona 24 horas por dia em todo o ano — afirma Zanardi.

O secretário executivo da instituição ainda ressalta que o serviço é fundamental para garantir o transporte ágil dos pacientes em situação de risco.

— Realizar o atendimento de urgência e emergência no menor tempo possível e encaminhar as vítimas, de acordo com a situação que se encontram, ao local que melhor vai atendê-las — pontua.

Trotes

Nos quase dois anos de funcionamento, um problema ainda é recorrente: o trote. Segundo informou o serviço de regaste, do número total de ligações recebidas em julho, uma parcela considerável, de cerca de 1.500 ligações, era injustificada.

— As ligações consideradas trotes foram quase 8% do total das chamadas recebidas pela central de regulação — relatou.

Neste ano, por exemplo, o CIS-URG, em parceria com a Escola do Legislativo da Câmara Municipal, executou o projeto “Samu sem Trote”. A proposta foi estabelecida através da Lei 8.368/2017, de autoria do vereador Raimundo Nonato (PDT).

Durante o projeto, profissionais do Samu visitam escolas a fim de conscientizar as crianças e adolescentes sobre as consequências do trote. Na época, o serviço destacou que tais ligações atrapalham o tempo de resposta para quem realmente precisa.

— Recebemos quase 700 ligações por dia e nosso objetivo é sempre ajudar o máximo de pessoas possíveis, por isso os trotes são totalmente inoportunos — informou.

Desde a implementação do Samu na região Centro-Oeste, já foram mais de 745 mil trotes, cerca de 17% de todas as chamadas recebidas. 

 

 

 

Comentários
×