Samu em Divinópolis só tem combustível para atender nesta sexta, 25; VÍDEO


Ricardo Welbert

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência e Emergência (Samu) informou, no fim da manhã desta sexta-feira, 25, que não tem combustível para operar ambulâncias por mais 24 horas. O motivo é a falta do insumo nos postos de combustíveis, em decorrência da greve dos caminhoneiros.

Nesta quinta-feira, 24, o serviço havia previsto que a frota já abastecida teria combustível até segunda-feira, 28. Porém, a quantidade de atendimentos realizados desde então fez reduzir essa perspectiva. 

Em entrevista coletiva por volta das 11h15 desta sexta, o diretor executivo do serviço, José Marcio Zanardi, afirmou que a situação é crítica. 

— Estamos alertando a população porque a situação agora é crítica. Nós só temos combustível para rodar no dia de hoje, em todas as 31 ambulâncias da região Centro-Oeste, que são usadas nos atendimentos aos casos de urgência e emergência — declarou.

Unidades reservas

O serviço dispõe de quatro unidades de reserva. Porém, também essas estão ficando sem combustível. 

— E sem local de abastecimento. Todas as unidades amanheceram hoje abastecidas, mas, a partir de agora, conforme o volume dos tanques for baixando, não temos mais onde abastecer — ressalta..

Alternativas

O Samu possui postos de combustíveis credenciados em todas as cidades que possuem ambulâncias e também em áreas metropolitanas, como Contagem e Betim. Nelas também já falta combustível.

— Tentamos com outros postos, que não são os credenciados, para compra emergencial do combustível, visto que o Samu é um serviço essencial e poderíamos usar o recurso disponível para compra emergencial. Contudo, não obtivemos sucesso até o momento — pontua. 

Ainda segundo o diretor executivo, também houve tentativas junto a prefeituras, que possuem postos próprios e também têm tanques em suas unidades. 

— Também não conseguimos obter nenhum sucesso nesse sentido, porque também está faltando para as prefeituras realizarem serviços essenciais à saúde — diz.

Samu (2)
O diretor executivo do Samu no Centro-Oeste mineiro, José Marcio Zanardi (Foto: Ricardo Welbert)

Risco de suspensão

Zanardi afirma que pode haver suspensão dos atendimentos de urgência e emergência ainda nesta sexta-feira. 

— Certamente é o que vai ocorrer se não houver nenhuma luz no fim do túnel para encontrarmos alguma possibilidade de abastecimento das nossas viaturas — afirma.

Parceria com o Corpo de Bombeiros

O Samu também já fez contato com o comando do 10º Batalhão do Corpo de Bombeiros. Segundo Zanardi, foi pedido que nos locais onde existam unidades dos bombeiros, eles possam atender aos casos de código verde (não muito graves) e o Samu fique com os de códigos amarelo (que exigem maior atenção) e vermelho (graves ou gravíssimos, que exigem a presença de um médico). 

— Se necessário, até tripularmos as unidades dos bombeiros com nossos profissionais, para que possam dar atendimento à população — detalha. 

Frota administrativa

Assim como o Corpo de Bombeiros, o Samu também suspendeu a circulação da frota administrativa. 

— Suspendemos a circulação de todos os nossos carros. O que eles ainda têm de combustível é só para alguma situação emergencial, uma exceção. O único veículo administrativo que estamos utilizando neste momento é o caminhão que faz a entrega dos insumos às bases centralizadas, que também só têm combustível para rodar hoje, fazendo essas entregas. Os insumos das ambulâncias estão garantidos pelo menos até os próximos dez dias — finaliza. 

As 31 ambulâncias do Samu no Centro-Oeste consomem por mês cerca de 15 mil litros de combustível e rodam em média 100 mil quilômetros no mesmo período.

 

Comentários
×