Rotativa (23/09/2019): Maria Cândida - Escrever é cortar palavras

O espaço de hoje é cedido ao jornalista desportivo Armando Nogueira, que militava no jornalismo do Rio por volta de 1906:

Com a palavra, Armando Nogueira: Passei alguns anos certo de que o autor dessa preciosa máxima era Carlos Drummond de Andrade. E vários discursantes ganharam fama de eruditos citando Drummond como autor da frase... Até que um dia perguntei ao poeta. Ele conhecia a frase, mas negou que fosse dele. Confesso que fiquei desapontado. A sentença tinha a cara de mestre Drummond, cuja prosa é um exemplo de concisão.

Otto Lara Resende também descartou sua autoria da famosa frase. Outros nomes desfilaram e a frase continua sem autoria. Eu, por mim, seria capaz de atribuí-la a John Ruskin, notável escritor e crítico inglês do século passado. Se não disse com todas as letras, certamente foi Ruskin quem melhor ilustrou o adágio num conto antológico. É o caso de um feirante de peixes num porto britânico.

O homem chega à feira e lá encontra seu compadre arrumando os peixes num imenso tabuleiro de madeira. Cumprimentam-se. O feirante está contente com o sucesso do seu modesto comércio. Entrou no negócio há poucos meses e já pode até comprar um quadro-negro pra badalar seu produto.

Atrás do balcão, no quadro-negro está mensagem escrita a giz em letras garrafais e caprichadas: HOJE VENDO PEIXE FRESCO AQUI.

Perguntei então ao amigo e compadre:

Você acrescentaria mais alguma coisa?

O compadre perguntou ao feirante: “Você já notou que todo o dia é sempre hoje?Então esta palavra está sobrando, é dispensável. Hoje é hoje mesmo, todo dia é hoje”.

O feirante concordou e tirou a palavra hoje.

Então o feirante apagou a sobra e ficou só: Vendo peixe fresco aqui.

Outro visitante ponderou: “alguém vem à feira para dar peixe? Claro que é para vender, nem precisa colocar isto. Está claro”. E o anúncio ficou mais curto ainda: Peixe fresco aqui.

E outro mais ainda: “já se viu alguém anunciar peixe que não seja pra vender aqui? Ia vender lá longe?”.

Daí que o aqui também saiu.

Daí que outro freguês falou: “E é preciso contar que o peixe é fresco? E alguém vem à feira trazendo peixe podre? Claro que ninguém vende peixe podre”. Daí que ficou só: Peixe.

E freguês nenhum perdeu tempo lendo as garrafais do quadro vendendo peixe fresco hoje. Pelo cheiro, sentiu que era peixe do bom, fresquinho, de hoje... Consta que vendeu tudo, não sobrou nem a sardinha do gato...

Quem me deu tão precioso recorte de jornal, em Belo Horizonte, foi o primo advogado Gumercindo Gomes Guimarães, irmão do nosso ex-prefeito Sebastião Gomes Guimarães e da nossa Ivone, que dispensa adjetivos...

Comentários
×