Rota dupla

Maria Cândida - Rotativa 

Espetacular esta charge como tudo que sai da criação do Mourão.

Veio a tentação de dar toque nos aqui citados, mas pensei: Deus me livre de explicar charge. Não se toca em tesouros impunemente. Que notáveis aqui registrados: Odebrecht, Toffoli e Mourão. É muita sorte. Que inveja! 

Ah, tivesse eu sido agraciada com este dom de Deus. A propósito, que tentação de ilustrar este quadro acima com o cachorro do Kaboja refestelado no piso da Câmara, atento, batendo palmas ou orelhas para os discursos de nossos edis!

Comovente e emocionante! Salve, salve! Salve o povo de nossa cidade divina!

________________________________________________________________________________________________________________________

 Humilhação cívica

Li neste jornal Agora em edição do dia 25 último, não acreditei. Reli. Li de novo.

Mas, de fato, lá estava escrito que o presidente da Câmara de Divinópolis, Rodrigo de Almeida Vasconcelos, apelidado de Kaboja (PSD), levara um cachorro para Câmara Municipal de Divinópolis, onde fora eleito como presidente.

Minha primeira ideia foi reler, a seguir foi ir à redação do jornal averiguar sua veracidade. Parei, refleti. Melhor não averiguar a veracidade da notícia, porque detesto duas situações: mentiras e absurdos. E para apurar o relatado, impossível não cair numa das duas ditas situações.

Pois lá estava a notícia do fato noticiado: que o presidente da Câmara levara para a Casa Legislativa que presidia um cachorro que reclamava, num cômodo fechado da Casa, ganindo sua triste sina de estar preso no quarto, embora que com iluminação elétrica e ar condicionado. 

...E nós pagando, além do custo do mimo oferecido ao canino, o fato de termos eleito seu dono para nos representar, povo, no Legislativo, ou seja, em um dos três poderes a nós conferidos como povo.

Resta a pergunta: e agora, presidente? Vai ficar assim? É só pedir desculpa ou tem que se pedir perdão, e de joelhos? E só? Estamos conversados, ou acertados?

Afinal, isto aqui é um circo e somos palhaços? Ou quem sabe o vereador-presidente Rodrigo, que teve a grande sorte de vir de famílias da qualidade dos Almeida e Vasconcelos, traiu tais origens nodoando nossos valores cívicos na Câmara Municipal, triste e vergonhosamente? 

Particularmente, lamento, profundamente. Pessoal e civilmente, me envergonho. 

Povo desta terra: e agora? Acabou ou começou?



Coment√°rios
×