Rogério Barbieri deixa cargo à disposição de Galileu


Ricardo Welbert
Sonia Terra

O secretário de Saúde de Divinópolis, Rogério Barbieri, colocou o cargo à disposição do prefeito Galileu (PMDB) nesta quinta-feira, 19. De acordo com o próprio Barbieri, críticas que ele tem recebido na Câmara pesaram na decisão.

— Tenho meu trabalho como médico e, apenas a título de comparação, deixando o cargo eu volto a receber mais, o que é bom pra mim. Mas ele [Galileu] não quer que eu saia — comenta.

Formado em medicina pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Rogério Sichieri Barbieri tem 45 anos e é cirurgião cardiovascular e intensivista. Desde 2009 é também médico cirurgião de carreira da Prefeitura de Divinópolis.

Ele confirmou ter colocado o cargo à disposição de Galileu durante entrevista feita por telefone no fim da noite, poucas horas depois de o presidente da Câmara, Adair Otaviano (PMDB), afirmar no plenário, durante a reunião ordinária desta quinta-feira (19), que conversou com o secretário e o prefeito 30 minutos antes e que os dois descartaram qualquer possibilidade de mudança no comando da pasta da Saúde.

Nada oficial, ainda

Procurada por várias vezes pelo Agora ao longo desta quinta-feira, 19, a Prefeitura ainda não confirma se o secretário de Saúde, Rogério Barbieri, vai deixar o cargo. A possibilidade foi informada com exclusividade pelo Agora.

Fato é que nos últimos meses a gestão de Barbieri tem sido alvo de críticas, como ele próprio diz. Principalmente na Câmara, onde a cada nova reunião o vereador Dr. Delano (PMDB) o chama de "um péssimo administrador".

Há algumas semanas Rogério teria dito durante uma reunião que se até o dia 5 de outubro a Prefeitura não recebesse ao menos R$ 10 milhões dos cerca de R$ 40 milhões que o Governo de Minas lhe deve, a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) poderia parar de funcionar. No dia 3 de outubro o vereador Renato Ferreira (PSDB) levou o assunto à tribuna da Câmara e de lá para as manchetes foi um pulo.

A repercussão foi tamanha que a Prefeitura precisou convocar uma coletiva de imprensa com o próprio secretário para afirmar que a UPA não fecharia e, assim, acalmar os ânimos de milhares de usuários do Sistema Único de Saúde que ficaram assustados com a informação anterior.

No fim da tarde desta quinta-feira, a assessoria de imprensa da Prefeitura afirmou que não sairia nenhum anúncio de mudança do cargo de secretário de Saúde na edição desta sexta-feira, 20, do "Diário Oficial dos Municípios Mineiros". Para ser publicado no jornal oficial, o texto precisa chegar ao setor até as 17h do dia anterior – o que não ocorreu.

Possíveis nomes

Enquanto o governo não confirma se exonera ou não, alguns nomes correm à boca miúda como favoritos ao cargo. Durante a reunião desta quinta-feira na Câmara, Ademir Silva (PSD) sugeriu que seja José Geraldo, o "Geraldinho da Saúde".

Renato Ferreira disse acreditar que Galileu faria bem se convidasse Dr. Delano para o cargo – já que o vereador tem feito críticas ao atual secretário.

Comentários
×