Ricardo Eletro fecha tradicional loja

Jorge Guimarães

Ricardo Nunes abriu, em 1989, sua primeira Ricardo Eletro, aos 18 anos, em Divinópolis, sua terra natal, em uma pequena loja situada na avenida 1º de junho. Na época, vendia somente eletrônicos e bichos de pelúcia. Em sua trajetória de sucesso, algum tempo depois adquiriu a “Onda Sonora”, loja do segmento de eletrodomésticos, que ficava de frente à sua, e ali instalou sua segunda loja.  E, quase 30 anos depois, a mais antiga delas, vai fechar suas portas a partir de amanhã, motivo pelo qual toda a loja está em promoção. Seus funcionários serão recolocados nas unidades da rua Goiás e do Shopping Pátio Divinópolis.

Este é mais um ponto tradicional da cidade que fecha suas portas. Assim, a cidade vai perdendo sua identidade em pontos tradicionais que contam a história da outrora chamada de “Princesinha do Oeste”.  

— Não sabemos o “porquê” do fechamento de uma das mais tradicionais lojas da Ricardo Eletro. Infelizmente, neste sábado [amanhã], encerramos os trabalhos desta loja e, nós, funcionários, seremos remanejados para as outras duas lojas existentes na cidade — detalha o gerente da loja, que tem 19 anos de empresa, Carlos José Tavares.        

Fusões

Em sua crescente nos anos de 2007 e 2008, a empresa adquiriu 86 lojas da rede Mig, entrando, assim, nos mercado de Goiás, Distrito Federal, interior de São Paulo e Rio de Janeiro. Mesmo após a união com a Insinuante, em 2010, a Ricardo Eletro continuou agressiva em grandes campanhas de marketing. Em 2016, a marca foi a escolhida para representar o grupo Máquina de Vendas em todas as lojas da holding pelo Brasil, tornando-se a maior.

Sem fôlego

No fim de 2017, começaram os rumores, depois de algum tempo confirmados, de que a “Máquina de Vendas”, negociava diretamente com Itaú Unibanco, Bradesco e Santander, a sua dívida.

Homologado

No início do ano, a “Máquinas de Vendas”, dona da rede Ricardo Eletro, teve seu plano de recuperação extrajudicial homologado conforme informações do processo na 1ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais de São Paulo.

Comentários
×