Revista Xeque Mate I

Adriana Ferreira 

Sexta-feira foi o lançamento da versão digital da Revista Xeque Mate, do jornalista e colunista social Giovani Lima. O evento ocorreu em um café. Foram 75 pessoas e empresas, de diversos segmentos, expondo seus negócios. Na segunda-feira, 27, a edição impressa foi distribuída. Mas antes de sua distribuição, a polêmica: a falta de influenciadores negros na capa. Só acreditei quando me mandaram  prints dos posts e vi que era sério. Fiquei passada com a falta de informação de quem saiu espalhando esse absurdo. Vejamos:

Foco 

A revista não nasceu na semana passada e se trata de um veículo de comunicação voltado para o meio empresarial. A revista tem foco: empreendedorismo e consequente geração de empregos e divisas, independentemente de quem esteja no poder. Em toda a sua existência, a revista buscou destacar pessoas e empresas de vários segmentos e, além de divulgá-las, sempre traz temas de interesse geral, sem polêmica, deixando a crítica a cargo do leitor. 

Influenciador digital

Kelson Mendonça, referência em maquiagem e moda, foi o primeiro digital influencer a ser destaque na revista Xeque Mate. Com mais de 25 mil seguidores e vídeos com mais de 300 mil visualizações, aquece o mercado de roupas e produtos de beleza. Tudo isso com muita leveza!

E por falar em maquiagem

Laís Cecílio, modelo, empreendedora, engenheira ambiental, defensora da moda com sustentabilidade, foi destaque na matéria “É Festa”, também sobre maquiagem. O maquiador John Rodrigues destacou a mulher poderosa que ela é.  

Duas Elzas

Cantatrizes, talentos únicos, pessoas ímpares: Tia Elza que brilhou plena na capa da edição janeiro/fevereiro 2015 e Elza Soares que na última edição – a da discórdia –, recebeu uma dedicatória especial pelos seus 90 anos de idade.  Justa homenagem da revista a esses dois grandes nomes do que há de melhor na música brasileira. Bravo! Bravíssimo!

Garotas da última capa

Como aquelas moças foram parar ali? O que há de comum para que estivessem juntas? Além de lindas e poderosas, o que mais elas têm e são? Elas estão ali porque vendem! Simples assim! Não estão levantando bandeira disso ou daquilo. Não que não tenham responsabilidade social. Claro que estão cientes de seu papel no mundo! Elas sabem que, passando confiança nos produtos que anunciam, aquecem a economia, geram empregos e divisas. Elas sendo vistas, produtos são lembrados e comprados. Fantástico, não? 

Números

Verificando as redes sociais de cada uma, vi que têm em média o equivalente a  ¼ da população de sua cidade como seguidores, ou seja, considerando que Divinópolis tem 234.937 mil habitantes, pode-se dizer que ¼ da população quer saber o que elas têm a dizer e a mostrar. As de outras cidades?  O mesmo critério, uma de Nova Serrana e outra de Itaúna, cidades com 102.693 habitantes e 92.091 respectivamente, e ambas têm exatamente 18.400 seguidores cada uma, ou seja,  em torno de 20% da população de suas cidades quer saber o que elas têm para mostrar e dizer. Então, se a revista é voltada para o empreendedorismo, o critério para estar na capa como influenciadora é realmente influenciar o mercado. Já sei, Tia Elza não está ligada a moda, maquiagem etc. e como está na capa? Simples, quando Tia Elza se apresenta fora da cidade, seja nos palcos ou em programas de auditório de alcance nacional, ela divulga o nome de Divinópolis. Ela vende Divinópolis de forma positiva. Merece  estar ali e com todas as honras! Ficou claro? Pelo visto, quem quis lacrar em cima da capa da revista demonstra que sequer já a folheou, que sequer se preocupou em se informar sobre o seu conteúdo. 

Irmãos Azevedo

Gleidson alega que vem sendo atacado nas redes sociais. Ele precisa se lembrar que Cleitinho ganhou duas eleições pelas quais concorreu fazendo a mesma coisa e que ele também está indo pelo mesmo caminho.  Na política, como na vida, um dia se é martelo e no outro se é bigorna. Acostume-se!

Domingos Sávio

Mais uma vez indicado como um dos melhores congressistas da atual legislatura. Mais do que justo o reconhecimento. Aplausos!

Família Martins

Verdadeira família política aos moldes do Norte e Nordeste, será assunto de nossa próxima coluna. Uma pílula só não dá nem para o começo. Aguardem! 

Aleluia

Mais e mais crianças e adolescentes têm criado coragem e denunciado seus predadores. Pai, tio, padrinho, vizinho, namorado da mãe, amigo da família. Todos pessoas próximas, que deveriam ajudar a protegê-las. A lista de malfeitores é grande, mas, felizmente, as vítimas estão perdendo o medo. Mas ainda há muitas que sofrem. Chega de silêncio! Denunciem!

 

Comentários
×