Reunião hoje analisa impactos da flexibilização do comércio em Divinópolis

Matheus Augusto

O Comitê de Enfrentamento ao Novo Coronavírus volta se reunir hoje para debater a situação de Divinópolis frente à pandemia. Além da habitual análise dos dados e da eficácia das medidas de prevenção adotadas até o momento, os membros avaliarão se, com a flexibilização das restrições impostas ao comércio, a situação se agravou. Outra tema presente na pauta será a possibilidade de ampliar o funcionamento dos serviços.

O tema foi, inclusive, levantado na última semana, quando o Instituto de Pesquisa Censuk publicou sua análise estatística sobre os dados disponibilizados pela Secretaria Municipal de Saúde (Semusa). A avaliação tem como base o período de isolamento total (1° de abril até 26 de abril) e o período de isolamento parcial (27 de abril até 5 de maio). No primeiro momento, o instituto encontrou uma média de 27 notificações e 2,1 confirmações por dia. Já após a flexibilização do comércio, o índice diário foi de 12,2 e 2,4, respectivamente. 

A empresa afirma que “os dados não apontam para uma tendência de crescimento de contaminação da população após a abertura parcial do comércio em Divinópolis”. Por fim, é ressaltado o curto tempo decorrido para uma avaliação mais profunda das estatísticas.

Em nota, o secretário de Saúde, Amarildo Sousa, contestou a análise e afirmou que a curva ainda é ascendente, com crescimento controlado em razão das medidas adotadas.

— Oportunamente, é prudente que fique consignado que, neste momento crucial de evolução do número de casos de covid-19 em Divinópolis, as tentativas de antagonizar posicionamentos eminentemente técnicos apenas porque eles, em alguma medida, contrariam interesses, ainda que legítimos, de determinados grupos, é atitude bastante temerária, porque tem o condão estimular a sensação falseada de retorno à normalidade — argumentou.

Para o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Divinópolis, Luiz Angelo Gonçalves, as medidas de prevenção são fundamentais para a flexibilização das medidas de restrições impostas ao comércio, tema a ser debatido hoje.

— É muito importante que todos sigam essas diretrizes para que a gente mantenha os patamares dos indicadores da contaminação do vírus e a porcentagem de ocupação dos leitos sob controle para que a gente tenha uma evolução segura da retomada do comércio e também possa ter, nas próximas semanas, uma reabertura um pouco maior, já que ainda estamos com muitas restrições e ainda tem muitos setores que estão fechados — concluiu. 

O fechamento do comércio, conforme informou a Prefeitura ao publicar em decreto o retorno gradual dos serviços, será automático caso o índice de ocupação dos leitos de UTI alcance 70%.

Dados indisponíveis

A Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) não divulgou ontem os dados de Divinópolis no enfrentamento ao coronavírus. Segundo o órgão, a impossibilidade se deu pela instabilidade na plataforma “FormSUScap”, na qual estão todas as informações oficiais do cenário local. Na última sexta-feira, 8, sob a mesma justificativa, a secretaria publicou apenas que a taxa de ocupação dos leitos de Centro de Terapia Intensiva (CTI) estavam 44,7%, com 13 pacientes internados. 

Assim, o último boletim disponível é de quinta-feira, 7, quando a cidade contava com 1.590 notificações (112 confirmados e 158 descartados) e 16 pessoas em CTIs.

Morte

Divinópolis contabilizou no último sábado, 9, mais uma morte por coronavírus. A idosa morava em Bom Despacho, mas recebia tratamento no hospital Santa Lúcia. Em nota, a entidade ressaltou o histórico de comorbidades.

— A paciente do sexo feminino, de 78 anos, internada desde 5 de abril, com diagnóstico confirmado de síndrome respiratória grave pela covid, veio a óbito neste sábado. A paciente era obesa, hipertensa e com histórico de infecção urinária de repetição. Ela foi transferida para o CTI por disfunção renal, necessitou de hemodiálise e estava com suporte ventilatório prolongado — explicou.

Apesar de morar em Bom Despacho, a assessoria de comunicação da Prefeitura de Divinópolis confirmou a inserção do caso na cidade que passa a contar com duas mortes. 

— A paciente estava cadastrada no sistema com o endereço de Divinópolis. Ela veio de Bom Despacho no início de março para fazer um tratamento renal. Como ela teria que ir algumas vezes ao hospital, ela já ficou aqui, na casa de parentes, e foi durante esse período que ela contraiu coronavírus, voltando ao hospital para se tratar — confirmou o órgão.

Vizinho

Outro município em alerta para a pandemia é Carmo do Cajuru. A cidade também confirmou no sábado a segunda morte por coronavírus. A diferença para Divinópolis é que o local possui apenas quatro casos confirmados, conforme o relatório de ontem da Secretaria de Estado de Saúde (SES).

A Prefeitura não revelou as informações do(a) paciente.



Comentários
×