Reunião é marcada por reclamações

 

Maria Tereza Oliveira

A reunião ordinária de ontem na Câmara serviu como muro das lamentações dos edis. Teve vereador que reclamou da falta de fiscalização nas obras paradas, teve quem reclamasse dos governos do estado e federal, dentre outras. Algumas reclamações contundentes, outras nem tanto.

O vereador Eduardo Print Jr. (MDB) levou um assunto polêmico à tribuna ao afirmar que uma servidora tentou ganhar os créditos por uma obra que não é de sua responsabilidade.

— As obras realizadas no bairro Icaraí partiram de uma emenda de minha autoria, de 2015. A assessora iria fazer uma inauguração creditando a empresa a qual ela presta serviços. Mandou convite para todos, menos para os membros do legislativo. Ela quer colocar presidente de bairro contra vereador. É uma vergonha — opinou.

Janete Aparecida (PSD) revelou que em uma visita ao bairro Jardinópolis, encontrou a obra do Centro de Referência em Assistência Social (Cras) abandonada.

— Eu queria entender o que está acontecendo porque o Cras iria beneficiar inúmeras crianças do bairro e também de bairros próximos. A Prefeitura fiscalizou a obra? A empresa contratada foi denunciada? — questionou.

O vereador Renato Ferreira (PSDB) chamou a atenção para a situação da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) que, segundo ele, está com superlotação de pacientes.

— A UPA não suporta tanta gente, é preciso de um novo local para realocar o excesso de pacientes — pediu.

Josafá (PPS) mostrou-se insatisfeito com a situação das rodovias que cortam a cidade e lamentou a falta de verbas para elas.

— Divinópolis é a cidade da região que mais paga pedágios, mas, em contrapartida, é a que recebe menos benefícios para manutenção das estradas e obras — afirmou.

Roger Viegas (PPS) queixou-se sobre os atrasos dos salários dos servidores municipais da educação.

— Salários atrasados e parcelados levaram a rede municipal da educação a fazerem uma paralisação. Não é justo que o prejuízo de má administração do governo recaia sobre eles — destacou.

Projetos

Na reunião dois projetos entraram em discussão. O primeiro deles é a PELOC 2/2018 - Proposta de Emenda à Lei Orgânica do Legislativo, de autoria de 14 vereadores: Ademir Silva (PSD), César Tarzan (PP), Cleitinho Azevedo (PPS), Dr. Delano (MDB), Eduardo Print Jr. (MDB), Janete Aparecida (PSD), Nêgo do Buritis (PEN), Renato Ferreira (PSDB), Roger Viegas (PPS) e Sargento Elton (Patriota).

A proposição foi aprovada e obriga elaboração e cumprimento do programa de metas pelo Poder Executivo. O texto diz que prefeito, eleito ou reeleito, deve apresentar o Programa de Metas de sua gestão, até noventa dias após sua posse, que conterá as prioridades: as ações estratégicas, os indicadores e metas quantitativas para cada um dos setores da Administração Pública Municipal da cidade, observando, no mínimo, as diretrizes de sua campanha eleitoral e os objetivos, as diretrizes, as ações estratégicas e as demais normas da lei do Plano Diretor.

O segundo é PLCM 101/2018 – Projeto de Lei Ordinária do Legislativo Municipal, de autoria do vereador Cleitinho Azevedo.

O projeto altera o artigo 17 da lei 5.038 que dispõe sobre o controle, proteção e esterilização de animais domésticos, sua posse responsável e o controle de zoonoses e contém ainda outras disposições. O texto diz que é vedado aos proprietários de animais domésticos aplicar qualquer tipo de maus tratos aos animais, promover, realizar, estimular ou participar de lutas (rinhas) de animais de qualquer espécie ou manter o animal em confinamento, acorrentamento e ou alojamento inadequado.

O projeto foi suspenso para passar por outras análises.

 

 

Comentários
×