Reunião debate assuntos ligados à segurança da mulher

Paulo Vitor Souza

O auditório da Delegacia Regional da Polícia Civil em Divinópolis foi palco ontem para a reunião da Associação Comunitária para Assuntos de Segurança Pública (Acasp). O encontro reuniu autoridades de diversos segmentos e os assuntos em debate foram em sua maioria, as ações e eventos da Semana da Mulher, idealizada pela Delegacia de Mulheres da Cidade.

As comemorações em razão do Dia da Mulher começaram na segunda-feira, 2, e se estendem até amanhã. Na reunião ontem de manhã, um dos projetos de fomento à questão da mulher na cidade foi apresentado. A proposta “Nenhuma Mulher a Menos” é uma iniciativa de mulheres divinopolitanas que, sensibilizadas pelos casos de feminicídio na cidade, resolveram criar uma rede de apoio às mulheres.

— Nosso projeto surge depois do feminicídio ocorrido em dezembro. A Janaína (moradora de Divinópolis) foi morta no fim do ano passado de uma maneira muito brutal, e nós precisávamos fazer alguma coisa. Foi quando a Laiz, a outra fundadora, me chamou. Nosso principal objetivo é a dissipação de informações e conhecimento. A gente quer levar informação sobre relacionamento abusivo, sobre relacionamento tóxico entre outras coisas — explicou Ana Laura Mesquita, uma das fundadoras.

 A titular da Delegacia de Mulheres, Maria Gorete Rios, que está á frente das ações, enalteceu os trabalhos, da agora, Delegacia Especializada de Orientação e Proteção à Família. Ela também destacou o pioneirismo por parte da cidade no enfrentamento à violência doméstica no âmbito familiar.

— A delegacia completa nesta semana 18 anos e estamos todos muito empolgados; nossos trabalhos estão sendo mais organizados, estamos desenvolvendo nossas ações com mais eficácia e eficiência, tendo em vista os projetos sociais que estão surgindo aqui na cidade e os que ainda estão em processo de criação. (...) Desde 2008, a Constituição Federal deu especial atenção às famílias. E, desde 2002, antes mesmo da Lei Ordinária Maria da Penha de 2006, a Delegacia da Mulher de Divinópolis já trabalhava coibindo, amenizando a violência contra as mulheres e, claro, trabalhávamos a família como um todo, apenas a nomenclatura foi mudada posteriormente — disse Maria Gorete Rios.

Âmbito Nacional

Ana Laura Mesquita do “Nenhuma Mulher a Menos” comemora os resultados obtidos durante o período de existência do projeto. Segundo ela, pelas redes sociais, chegam relatos e depoimentos de pessoas e mulheres que estão próximos a realidades de violência doméstica. Ela lembrou os dados da violência contra a mulher.

No Brasil, segundo o Atlas da Violência 2019, de 2007 a 2017 houve um aumento de 30,7% no número de feminicídios, com 13 assassinatos por dia. Somente em 2019, 4.936 mulheres foram mortas no país.

Em homenagem ao Dia das Mulheres, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado vai discutir projetos que visem ao enfrentamento à violência feminicida. Entre eles está o Projeto de Lei do Senado (PLS) 381/2018, que impõe ao condenado por violência contra a mulher a obrigação de indenizações à vítima, ou aos filhos em caso de morte.

Segue a programação

Hoje, penúltimo dia da Semana da Mulher em Divinópolis, acontece uma caminhada com o tema “Não à violência contra a mulher”. A concentração será às 8h30, na praça da Catedral. O percurso segue até a praça do Santuário. Às 14h, ocorre o workshop: “A face da violência”, comandado pelo investigador Wagner de Oliveira. E às 16h, a programação do dia se encerra com uma roda de conversa que discutirá carga mental e outras contribuições para a autoestima. O workshop e roda de conversa acontecem no auditório da Delegacia Regional da PC, na rua Goiás.

 

Comentários
×