Ressurreição x reencarnação

João Carlos Ramos 

A ressurreição é relatada na Bíblia Sagrada, tanto no Velho quanto no Novo Testamento. Podemos ler sobre o cadáver que fora jogado na sepultura de Elizeu e voltou à vida ao tocar em seus ossos (2 Reis 13:14-21). O filho da viúva de Naim foi ressuscitado por Jesus em pleno velório (Lucas 7:14).

O Evangelho segundo São Mateus 27:53 diz:  "...E abriram-se os sepulcros e muitos corpos de santos que dormiam foram ressuscitados".

Atualmente, a ciência médica registra inúmeros casos de pessoas clinicamente mortas que voltaram à existência. O Evangelho segundo São João no Cap. 5:28-29 diz: "...Todos que estão no sepulcro ouvirão a sua voz, e os que fizeram o bem sairão para a ressurreição da vida, e os que fizeram o mal para a ressurreição da condenação”. Biblicamente, a ressurreição é um fato incontestável. O sistematizador do espiritismo, Hipplolyte Leon Denizard Rivail, popularmente conhecido como Kardec, afirma no livro" Evangelho segundo o Espiritismo" que o espírito, sendo imortal, volta a se reencarnar, quantas vezes for preciso até se purificar. Analisando friamente, mas sem ofender os sectários dessa doutrina, afirmamos que o sacrifício de Cristo aconteceu para que houvesse a ressurreição para a vida eterna. Assim sendo, a reencarnação torna-se obsoleta. Sabemos que a referida doutrina está presente na historiografia religiosa de todos os povos. Platão, Pitágoras, os faraós do antigo Egito, alguns segmentos da cultura religiosa indiana, com seus milhões de deuses, são mostras categóricas da universalidade da crença. Em total oposição, estão o cristianismo, o judaísmo e até o islamismo, dentre inúmeras outras crenças religiosas. Analisemos: o homem vivo obviamente possui uma personalidade que forma seu caráter. O DNA, descoberto pelo bioquímico alemão Johaann Friedrich Miescher, é forte aliado da doutrina bíblica. Os cientistas Tomas Lindahl, Paul Modich e Aziz Sancar receberam o Prêmio Nobel de Química em 2015 por mapear as células, revolucionando o mundo científico. Estava provada a total individualidade humana e a impossibilidade do transporte espiritual, ausente da constituição genética. Podemos constatar que o homem é uno e indissolúvel em seus caracteres indispensáveis de formação genética.

Portanto, obviamente, será responsabilizado por seus atos feitos no corpo, permitido viver. Tenho a convicção de que a salvação é alcançada pela fé. Não se origina do homem, para que ele não se glorie. Deus não discute e nem seus filhos e os dons e chamadas são "dados sem arrependimento" (Romanos 11:29).

Deus ilumine a todos, especialmente aos crentes da doutrina reencarnacionista!

jocarramos@gmail.com

Comentários
×